alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

31.12.12

 

Cuidado na passagem do ano

- Estávamos a sentir-nos europeus como os outros e, de repente, é como se nos tirassem o ta­pete... É terrível!
-Tínhamos razões para voar nesse tapete durante as últi­mas décadas?
- Não, na medida em que não somos os senhores dessa máquina, mas um entre outros.
Eduardo Lourenço. DN 29-12-2012

Etiquetas:


 

2013

Palácio Távora Alfama
Tirante e esperança no milagre para suportar 2013


 

Miasmas

Vírus e memes

Para os antigos, miasmas seriam impurezas existentes no ar e que podiam produzir doenças e pestes.
* Se a gripe e os boatos se transmitem pela mesma via - as partículas dPflügge ("gafanhotos"), as “bocas” e as notícias - é sensato manter a boca fechada enquanto não for indispensável.
A boca fechada mas os olhos abertos.



Etiquetas:


 

Balanço do ano 3

Alcácer-Quibir; mais sequelas
A duração da intervenção 
O período filipino (uma troika de 3 soberanos estrangeiros) durou 60 anos; Passos Coelho prevê que dívida pública de Portugal leve 20 ou 30 anos a pagar

A reforma do Estado
Pedro Passos Coelho defendeu a necessidade de refundar o programa de ajustamento com a troika para fazer uma verdadeira reforma do estado.
... e a reformação do mosteiro de Travanca:
"Ali estava o mosteiro, o mesmo que prosperara com a derrota de Alcácer-Quibir... o desastre de África foi o que libertou o mosteiro e que o emancipou do pesado imposto em geral destinado ao sustento dos homens de guerra e despesas de campanha.
No mesmo ano da batalha, frei Domingos Teixeira foi eleito pri­meiro abade do convento de S. Salvador, chamando-se o primeiro abade da Reformação. Produziram-se notáveis inovações; a cerca foi rodeada pelos muros que ainda hoje existem, e construíram-se dentro fontes e jardins. Também passou ali a funcionar uma escola de Humanidades." 
Agustina Bessa Luis. O Mosteiro. 1980

O Encoberto
E, por fim, tivemos até a ressurreição do Bandarra, encarnado em Baptista da Silva:
"Durante escassas semanas, Baptista da Silva foi a emanação de um sonho. Tão bom que poucos viram que era só isso mesmo: um sonho. 
Um indivíduo delirante contagiava uma sociedade crédula, sem vontade para verificar os delírios. Estávamos sedentos de Baptistas, ávidos da boa nova. Era o profeta que vinha aliviar o nosso sofrimento." Pedro Lomba.

Etiquetas:


30.12.12

 

Canto quinto

Alfama

Corrimão 
"Ó lá, Veloso amigo, aquele outeiro
É melhor de descer que de subir."

Etiquetas:


 

... e de arrogante crê que vai seguro


Dívida da 'troika' e de Sócrates sobem ao mesmo ritmo

Veloso no braço confiado,
e de arrogante crê que vai seguro;
mas, sendo um grande espaço já passado,
aparece, e, segundo ao mar caminha,
Mais apressado do que fora, vinha.

-"Ou lá, Veloso amigo, aquele outeiro
é mais fácil subir do que descer." 

Etiquetas:


 

Não cai


 Água da torneira em Portugal é segura

Etiquetas:


 

títulos de mais ou menos

Mais nascimentos no privado e menos no SNS
O relatório, datado de julho mas só agora divulgado mostra que a percentagem de nascimentos no SNS subiu em 2010, representando 87,3% do total, quase mais dois pontos percentuais que no ano anterior.
Mais cesarianas no privado, menos no público
Já no privado verificou-se a tendência inversa, com a percentagem de cesarianas a passar de 60,7% em 2009 para 67,5% em 2010.
O documento de 2010, divulgado pela DGS mostra que 32,1% dos partos no SNS foram cesarianas, quando em 2009 representavam 32,9%.

* É isto que nos espera de uma imprensa para a qual partos ou cesarianas tanto faz.

Etiquetas:


 

Movimento do Consumo no SNS

Se nós, cada um dos cidadãos, não fizermos qualquer coisa para reduzir o potencial de um dia sermos doentes, por mais impostos que possamos cobrar aos cidadãos, o SNS será, mais tarde ou mais cedo, insustentável”, afirmou o secretário de Estado da Saúde
http://www.consumersinn.com/ptm1/
O Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos entende que o secretário de Estado da Saúde revela «grande insensibilidade humana e social» ao dizer que os portugueses têm a obrigação de contribuir para a sustentabilidade do SNS ao prevenir doenças.
Carlos Braga vê neste tipo de declarações um reflexo de uma «política de Direita em que se privilegia os interesses dos grandes grupos económicos em desfavor do que são os interesses e os direitos das pessoas em terem acesso aos serviços de saúde».

Etiquetas:


 

Balanço do ano 2

Alcácer-Quibir; as sequelas.
O cativeiro e os paraísos fiscais :
Tal como então, a bancarrota pouco prejudicou os responsáveis pelas crises a que sobreviveram; eles e os seus coniventes continuaram a viver faustosamente, com o lucro de negócios blindados, os seus capitais a salvo em paraísos fiscais.

Após 1578:
Non à vã glória
“Os fidalgos cativos, enquanto esperam o seu resgate, são alojados nas casas dos judeus de Fez, onde vivem com mais luxo do que nos seus solares de Portugal. Pagam com assinados as tapeçarias e a comida fina, gozam de liberdade pela cidade; outros pedem por letras dinheiro de Portugal, e assim gastam no jogo e nos jantares o resto da honra que lhes sobrou dessa empresa ruinosa em que as lágrimas se secaram com os negócios e a vergonha se abafou numa espécie de comunidade festiva em que todos eram cúmplices numa renúncia."....
"Porque folgaram os fidalgos no cativeiro é coisa que aquele núncio apostólico soube explicar quando disse de Portugal: "Estranha terra onde os cativos riem e os livres choram!" 
 Agustina Bessa Luis. O Mosteiro Guimarães Ed 1980

* Fêz foi o equivalente marroquino dos actuais “paraísos fiscais”.  
No próximo ano, a zona euro vai criar uma espécie de ministro das Finanças com poderes especiais de supervisão sobre os Estados. 
Já os países que estão aflitos, estes só desejam ver a cor do cheque e não se importam de transferir para fora de fronteiras poderes tidos por soberanos. Comprometem assim a sua liberdade de decisão futura no altar das dívidas de hoje. E ainda festejam. JMF

O resgate e a intervenção estrangeira consentida
Os 3 partidos maioritários  - 90% dos deputados - comprometeram-se a respeitar o memorando da troika.
2012, o ano em que o país abdicou de o ser.
Após 1578:
A mando do Filipe II de Espanha, Cristóvão de Moura andou a distribuir dinheiro para pagar os resgates dos cativos portugueses em Alcácer Quibir. Nas Cortes de Tomar, esse Filipe apresentou a factura e foi aclamado Filipe I pelos nobres, clero e povo.

"... o resgate dos cativos de Alcácer Quibir, ... foi objecto de negociações com o sucessor do xarife vitorioso, que pediu 400 000 cruzados pela libertação de cerca de uma centena de fidalgos... mas o novo rei só conseguiu reunir 130 000, pelo que as famílias respectivas entregaram objectos valiosos para serem vendidos em Marrocos. O resultado da venda não chegou para o que se pretendia, oferecendo-se o governador do Algarve, D. Francisco da Costa, responsável pelo transporte, para ficar como refém. Os fidalgos foram liber­tados, mas D. Francisco acabou por morrer no cativeiro em 1586."  Rui Ramos. História de Portugal
"Estranha terra onde os cativos riem e os livres choram!" . As famílias dos fidalgos venderam os anéis; as dos outros, os dedos.

Etiquetas:


29.12.12

 

Vida tuga


Uma real melhoria da vida tuga

Alfama


Dos portugueses que melhoraram a sua condição desde o 25 de Abril, ... muitos foram à República Dominicana ou a Cuba em programas de férias baratas, fazer patetices a crédito, muitos compraram sofás e plasmas e vários telemóveis, mas, tiremos o folclore, o kitsch do gosto, e o que fica é uma real melhoria da vida de muitos portugueses. JPP

Etiquetas:


 

Pigmaréptil

A mentalidade de muitos políticos não difere do dos jornalistas
A pobreza para eles é apenas grande escassez material e remete para um universo assistencialista, com imagens de sopa dos pobres modernizadas, de IPSS que dão pão, roupa e cobertores, da benemerência severa e moralizadora do Estado apenas para os "mais pobres e necessitados". Tudo o resto é perdulário.
Estes pobres, muitos e demais, mas mesmo assim poucos no balanço geral dos dias de hoje, são usados para ocultar os que estão a empobrecer, os "novos pobres", quer porque só agora é que são pobres, ou porque são pobres de maneira diferente. 
Saliente-se que esta forma de ver a pobreza não é muito diferente da que aparece nas reportagens televisivas, porque o universo de experiência e mentalidade de muitos políticos não difere do dos jornalistas.  JPP
Pigmarépteis - modelam uma ilusória “opinião pública” que veneram e de que dependem.

Etiquetas:


 

Outra história trágico-marítima

Uma alegoria dos tuga no Euro

Pelo menos 22 pessoas morreram ao largo de Bissau, vítimas de naufrágio de uma piroga que ligava Bolama à capital.
A piroga, um tipo de embarcação artesanal muito usado na região, ia sobrecarregada. Com o mau tempo e o aumento do tamanho das ondas, começou a ser inundada, fazendo com que as pessoas se assustassem e algumas se atirassem ao mar.

*Como se um moliceiro se fizesse ao mar sem aprestos.

Etiquetas:


 

Balanço do ano 1

Alcácer Quibir outra vez
É curioso que tenha sido agora abolido o feriado do 1º de Dezembro. Estes últimos tempos replicam de forma pífia o que se passou em finais do Sec XVI; a ostentação balofa, a anarquia, a ilusão voluntarista da guerra redentora, Alcácer-Quibir (1578), a bancarrota que levou à intervenção estrangeira, sancionada nas Cortes pelos representantes de toda a gente.

Últimos anos
1. De facto, durante mais de trinta anos, com diferentes enquadramentos políticos,  Portugal nunca  deixou de registar défices orçamentais e de, consequentemente, acumular dívida pública, interna e externa. ...
 A crise financeira internacional foi a causa próxima desta «paragem súbita», mas a razão porque ela nos atingiu foi a vulnerabilidade resultante de décadas de acumulação de dívida (pública e privada), em paralelo com um crescimento económico medíocre e um desequilíbrio externo crescente. Teodora Cardoso 
De 1999 a 2010, o consumo privado cresceu 20% enquanto o investimento caiu 19%Emanuel dos SantosSem Crescimento não há Consolidação Orçamental 2012
"Gosto de empurrar as dificuldades com a barriga e seguir em frente": Alberto João Jardim 

Anos antes de 1578 
"A realidade era um reino pobre e devorado pelas ordens religiosas, meirinhos ávidos e juízes analfabetos. Era as terras maninhas, os mouriscos do Algarve espiões e avisadores, os soldados mendigos, os criados não pagos e os Alcaides descuidados da fortaleza.....
Em todas as ocasiões as pessoas sabem que existe uma burla genial, que estão a ser arrastadas para um destino trágico; mas subsiste o facto estético e todos se integram nele. Assim se explica o envolvimento prodigioso na campanha de Alcácer-Quibir, os preparativos completamente insensatos, a loucura da participação teatral. Os alfaiates trabalham dia e noite, vestem os cavaleiros como para um baile, cobrem os fidalgos de pedrarias, de plumas, de sedas brochadas. É o sonho dum dormente que sabe que sonha e, no entanto, não consegue despertar. Só os velhos e os desgraçados arrancados a uma realidade de ofícios vulgares e sem opinião se debatem nessa imensa comédia que os torna comparsas indecisos ou revoltados". Agustina Bessa-Luis, O Mosteiro.1980

Os melhores de então apoiavam “a burla genial”,“maravilha fatal da nossa idade”:
E vós, ó bem nascida segurança
da lusitana antiga liberdade
e não menos certíssima esperança
de aumento da pequena Cristandade;
vós, ó novo temor da Maura lança,
maravilha fatal da nossa idade,
dada ao Mundo por Deus, que todo o mande,
para do Mundo a Deus dar parte grande;

Os velhos do Restelo eram poucos e apelidados de “catastrofistas”:

Ó glória de consumir...

Sagaz consumidora conhecida
De fazendas, de reinos e de impérios:
...Chamam-te Fama e Glória soberana,
Nomes com quem se o povo néscio engana!

Etiquetas:


28.12.12

 
Roupa M à janela
a dar com o recorte da cortina.
Alfama

Etiquetas:


 

Entrevista


Perguntas a condicionar as respostas
- As condições de trabalho têm-se tornado mais difíceis? Sentes que os meios são hoje mais es­cassos?
- As condições de pesquisa melhoraram. As bibliotecas são mais eficientes e o trabalho de digita­lização feito pela Biblioteca Nacional e pela Heme­roteca Municipal de Lisboa tem sido fantástico, considerando que os recursos são escassos.
Entrevista a Richard Zenith, prémio Pessoa 2012
Atual. Expresso. 22-12-2012

Etiquetas:


 

Greve de médicos

A Assembleia da Comunidade de Madrid aprovou "o maior plano de privatizações da saúde em Espanha". ... que "implica destruir um sistema de qualidade de baixo custo e transformar impostos dos madrilenos em lucros de pessoas ou empresas".
... os médicos entram na sua quinta semana de greve indefinida, uma paralisação que está a ser cumprida por 70% dos profissionais e que já fez suspender 6000 cirurgias não urgentes e 40 mil consultas.

1. "Privatizam a saúde para fazer negócio. Senhor Lasquetty, exijo que se demita", afirmou o socialista A.C.
* “Usam os doentes para fazer chantagem. Senhor A.C., exijo que se demita”, afirmou o conselheiro para Saúde do executivo, Javier Lasquetty.

2. "O sistema de saúde é de todos. Não se pode ignorar os especialistas e fazer uma coisa assim. No sistema de saúde é uma novidade que o Governo avance sem debate prévio e sem ter em conta a opinião dos profissionais."
* "O sistema de saúde é de todos. Não se pode ignorar os doentes e fazer uma coisa assim. No sistema de saúde é uma novidade que o Governo avance sem debate prévio e sem ter em conta a opinião dos profissionais."

* Para lutar contra as privatizações, privam os doentes de tratamentos; nada pior para uma boa causa que um mau argumento.

Etiquetas:


 

Veni, vidi, vici

VINCI VAI 

Etiquetas:


27.12.12

 








a)  29  de zembro
b) 30 de zembro
c) 31 de zembro 

Etiquetas:


 

Ossos para o cão

Ossos a cair do prato
Alfama

Etiquetas:


 

Espírito crítico a cair entre os jornalistas portugueses

Consumo de carnes está a cair entre as famílias portuguesas
A Renascença falou com uma família, um talhante e responsáveis do sector, que confirmam a queda no consumo. O consumo de carnes desceu cerca de 10 % em 2012.
De acordo com o presidente da Federação Portuguesa de Suinicultores, ... sobretudo, uma redução no consumo de carne de porco. 
Retracção mais evidente é na carne de bovino. “O consumo da carne diminuiu de 16,3 para 15,9 quilos por pessoa por ano, o que é considerável” (foi de 2,5%)

*NB. Em 1990 o valor era de 14Kg.


* O português consome em média 3 vezes mais proteínas, obtidas a partir do grupo das “carnes e miudezas, pescado e ovos”, e gorduras, que o recomendado; em 2003 consumia mais 1/3 do que em 1990.
Isabel Jonet tinha razão; não podemos nem devemos comer bifes todos os dias.
* O título é alarmista:    ... a cair
* A redacção: Total ausência de crítica – um pé de microfone a colher "recados" que a comunicação social se presta a dar... 

Etiquetas:


 

Mestres meirinhos

Fenprof recorre aos tribunais para vincular 12 mil professores
Professores meirinhos a horário zero em comissão de serviço nos tribunais desactivados.

Etiquetas:


 

Esmagadora maioria

A esmagadora maioria dos portugueses não tenciona viajar neste fim de ano.
Segundo um inquérito, 96,2% dos que responderam dizem não ir viajar de férias nesta altura do ano. 
* Significa que 4% (um em cada vinte e cinco) "dos que responderam" o fará.
Mas não abdicam de uns dias de descanso, já que 71% dizem que vão tirar os mesmos dias de férias que em 2011.

Etiquetas:


26.12.12

 

Sebenta

Anfiteatro dos Estudos Gerais?
Alfama

Rascunhos de uma viagem de estudo às gravuras do Côa. (Sec XV)

Etiquetas:


 

Amadores ao poder



O que começou por ser uma tentativa amadora de restauro rapidamente se transformou num desastre artístico, mas mesmo destruída, a imagem de Jesus Cristo da igreja de Borja está a salvar a economia local.
O amor, finanças, a política, as reformas, o restauro e a arte...

Etiquetas:


 

Mensagem do primeiro-ministro da Lusitânia


"Todos foram chamados a participar"
      "Ninguém sairá desta crise ..."

Belzebu:
Esta é boa experiência:
Dinato, escreve isto bem.
 
Dinato:
Que escreverei, companheiro?
Belzebu:
Que ninguém busca consciência. 

e todo o mundo dinheiro.  
 "Todo o Mundo e Ninguém", do Auto da Lusitânia de  Gil Vicente

Etiquetas:


 

A esmagadora maioria

Passos garante que a "esmagadora maioria" das reformas já está concluída ...


Falta de dinheiro e medo do futuro leva esmagadora maioria dos portugueses a passar fim de ano em casa.
Esmagadora maioria dos portugueses quer renegociação do memorando... 
Dois terços dos portugueses defendem o cumprimento do Memorando 
... as pessoas vão ser sobrecarregadas com impostos.
Esmagadora maioria dos portugueses não quer eleições antecipadas 

Etiquetas:


 

O país ficou mais pobre...

A pobreza voltou a instalar-se nas ruas

A editora de política comenta os acontecimentos que marcaram 2012.



25.12.12

 

Viela

Viela à medida dos candeeiros
Alfama
Por favor, deixem-me entrar.

Etiquetas:


 

Inverno

A nossa árvore no solstício do Natal

Etiquetas:


 

Previsão meteorológica

Círculo da Lua
Coimbra, 23 de Dezembro
"Círculo longe, chuva perto" ... mas não choveu; a Lua é mentirosa.

Etiquetas:


24.12.12

 

Urbanismo

Largo degrau com chafariz a aproveitar o declive.

Greve e roupa a corar, aproveitando a nesga de Sol.

Alfama

Etiquetas:


 

O actor pelo personagem

Natal encenado

Há dois mil anos nasceu um missionário pregando uma nova moral; assumiu-se como actor, interpretando (encarnando) o personagem de filho de Deus cuja mensagem (evangelho) seria inspirada pelo Deus-Pai, veiculada por um Espírito Santo.
Criou a sua companhia ambulante que representava gratuitamente de terra em terra sempre que tinha audiência a quem bem-aventurava dando de comer e de beber do nada que é tudo.
Esta atitude incomodou o poder que crucificou o actor incómodo para sufocar a mensagem herética; não tendo conseguido, assumiu a direcção da companhia e adoptou o texto que traduziu adaptando-o à língua imperial.
Dois mil anos depois, há milhões que veneram a sua memória; em vez dos seus preceitos recriam a sua biografia mítica, encenando o seu nascimento e a sua morte como se de um auto se tratasse.
Como os fãs que conhecem melhor a história dos actores do que as dos personagens que eles interpretaram; visitam, reverentes, o local de nascimento daqueles em vez da moral da história destes.

Etiquetas:


 

Lances baixos

Inquérito Leveson: 
"Um Inquérito sobre a Cultura, Práticas  e  Princípios Éticos da Im­prensa" ("An Inquiry into the Culture, Practices and Ethics of the Press").
O relatório recolhe os principais dados relacionados com práticas jornalísticas ilegais no Reino Unido, especialmente as da violação do conteúdo de telemóveis e computadores.
A informação recolhida mostra uma indústria, a dos media, disposta a tudo para garantir a sua  sobrevivência.
Os decisores, diretores e editores, preocupados apenas com o sucesso dos seus títulos, juntam ao acima mencionado uma atitude de permissividade, e até, em alguns casos, de cumplicidade
com total desprezo pela lei e, num grande número de casos, pela verdade, preferindo escrever "meias verdades" ou "exagerar, detur­pando os factos"....
A liderança a todo o custo e o conse­quente aumento sem regras da concorrência, numa busca demencial pela liderança das tiragens provoca, obviamente...
José Vegar. Atual. Expresso 22-12-2012
* É um efeito secundário da perspectiva dum diário - o presente eclipsa o futuro.
* Os rankings são um dos sintomas do vício de considerar a vida uma corrida de bicicletas. Se o objectivo último é vencer os adversários é inevitável que surjam Lances baixos.

Etiquetas:


23.12.12

 

A duas mãos



Quando, em 1776, Adam Smith publicou A Riqueza das Nações procurou demonstrar que essa riqueza resultava da atuação de indivíduos que, movidos apenas pelo seu próprio interesse, promoviam o crescimento económico e a inovação tecnológica.
"Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade." Como resultado da atuação dessa "mão invisível", o preço das mercadorias deveria descer e os salários deveriam subir.
Quase dois séculos e meio depois são conhecidas as enormes vantagens que o liberalismo trouxe para a dinâmica económica, que na Idade Média era travada pelas relações feudais ou pelo controlo das guildas profissionais e pelos preconceitos reinantes contra os empréstimos com juros e contra as "profissões lucrativas". Mas também são conhecidos os inconvenientes da economia e das finanças totalmente liberais.
O mercado é importante para o funcionamento da economia. Mas quando o funcionamento do mercado financeiro gera pobreza, desemprego, fome e exclusão a mão invisível do mercado tem que ser guiada por uma mão visível dirigida pela solidariedade e a justiça para recolocar as finanças ao serviço da economia e esta ao serviço das pessoas.
* Nem amelia nem monoplegia; uma mão de cada lado. Guiadas pela cabeça, claro.

Etiquetas:


 

A Casa da Música não se sustenta sozinha

Defeito de arquitectura


* As soluções: cortes verticais ou cunha.

Etiquetas:


22.12.12

 

Ven, uma varinha de condão


 “Um dia cada um terá a sua própria moeda”
Ven, uma moeda digital 
... num futuro não longínquo o dinheiro vai estar associado à informação em que X “gostos” no Facebook valem X moedas. Quantos “gostos” no Facebook valem um Ven? Isso é o futuro do dinheiro – todos os pontos no gráfico social vão tornar-se monetizáveis, adquirem valor transaccionável.

... não há diferença com o dinheiro real, mas não encorajamos as pessoas a poupar porque é bom que circule.
... tornámo-nos na única moeda que tem o carbono incluído.
* O carbono é o actual condão da varinha mágica da ilusão.

Vem, ilusão antiquíssima e idêntica,
...
Vem, vagamente,
Vem, levemente,
Vem sozinha, solene, com as mãos caídas
Ao teu lado, vem
E traz os montes longínquos para o pé das árvores próximas.



Etiquetas:


 

Equidade fiscal

A "contribuição extraordinária de solidariedade"







Etiquetas:


Archives

12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017   07/2017   08/2017   09/2017   10/2017   11/2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter