alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

31.7.07

 
..
.
.
.
.
.
.
Morangos silvestres
Blow-up


 
Memória

Capitéis que suportavam o piso superior do claustro de Stª Bárbara e eclipsavam a Janela da sala do Capítulo - a obsessão de tentar ocultar um passado doloroso.
Só 300 anos depois (1852) D. Fernando II, um rei culto, o mandou derrubar. Ganhámos a janela e os capitéis.

Etiquetas:


 
A corda, o rodízio e a força das ondas
.
Uma discreta homenagem à técnica na era manuelina do Convento de Cristo.

Etiquetas:


 
Expansão portuguesa ilustrada

1510 Janela da Sala do Capítulo
1513-14 Embaixada ao Papa
1515-19 Torrre de Belém
1534 Autos de Gil Vicente
1536-40 Inquisição, jesuítas
1549 Tomé de Sousa governador do Brasil

Etiquetas:


 
Títulos e factos

Ministério Público admite arquivar o caso Furacão
Basta que os prevaricadores devolvam o dinheiro envolvido nas fraudes fiscais.

Balanço
Operação Furacão recuperou 12 milhões de euros

 
Dos jornais

As crianças não podem ser obrigadas a fazer horas extraordinárias nas escolas em prol das empresas.
José Vítor Malheiros Público 31.07.2007
As regiões autónomas dispõem de todos os impostos nelas cobrados (além das generosas transferências do Orçamento do Estado), nem sequer contribuindo para as despesas gerais da República, que só o continente paga. Vital Moreira Público 31.07.2007
Dar-lhe, neste momento, apoio político, é apoiá-lo na recusa de aplicação de uma lei da República, concorde-se ou não com ela. E se isso é inadmissível até em Jardim, muito mais o é para um líder do PSD.
Paulo Ferreira, Público 31.07.2007

30.7.07

 
Os estilos e a história

As formas puras, a linha recta e o círculo, traduziam o despojamento, a perfeição da lógica e da matemática; a lógica acentua o primado do racional, com que os jesuítas interpretavam o Universo – Opus Dei -- e com que tentaram converter a corte do Celeste Império.
.
Claustro dos Corvos, Convento de Cristo
Tomar.
A regra da Ordem passa de militar a contemplativa.

Etiquetas:


 
O estilo e a história

Diz-se que a igreja de NS.ª Conceição teria sido projectada para mausoléu do Rei infeliz.
Teria sido pena mas dificilmente se encontraria melhor local para olhar a eternidade e túmulo mais elegante.

Etiquetas:


 
Os estilos e a história

O rei João III foi muito infeliz - viu morrer os dez filhos e seis dos oito irmãos. Os sintomas de crise que haviam começado a revelar-se no final do reinado do pai agravar-se-iam no seu, com o acentuar das dificuldades económicas e uma vaga de epidemias.
Decidiu o
abandono de praças africanas de Marrocos (Safim, Azamor, Alcácer Ceguer e Arzila), - o que motivou a censura do Papa – investindo no Brasil, enviando Martim Afonso para proceder ao reconhecimento do território, autorizando-o a criar capitanias, mandando-as povoar.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
..
.
O abandono do supérfluo para salvar o essencial.
O mesmo aconteceu com a arquitectura no seu tempo; o claustro grande é um primeiro passo; Torralva ainda tolera a curva. Na igreja de NS.ª Conceição (1530-40) já só há linhas rectas. O despojamento total; aqui o essencial é visível por quem tenha olhos para ver.

Etiquetas:


 
Um país anafadito

A obesidade está a aumentar rapidamente em Portugal. Em sete anos, a percentagem de jovens adultos obesos aumentou 33,9 % entre os homens e 25 % entre as mulheres; nos de 55 -64 anos, o valor aumentou 30,7 %.
Ao mesmo tempo, as taxas de natalidade e fecundidade atingiram os níveis mais baixos desde que há registos (INE). Alguma relação haverá.

Le coeur au repos

Les yeux bien sur terre
Le coeur bien au chaud

Les yeux dans la bière

Plus ça devient vieux
plus ça devient bête
Jacques Brel

Etiquetas:


 
Luta anti-terrorista

Cientistas israelitas descobriram um minúsculo predador que neutraliza as pequenas vespas que, nos últimos anos, arrasaram bosques de eucaliptos.

Um agente contra os exterminadores da praga; a Mossad irá aproveitar.

 
Replantar o fundo do mar
… a terra, esse fundo movediço do imenso oceano do ar. Saramago. As pequenas memórias.

O trabalho é meticuloso e demorado. Recolher as plantas, transportá-las, atar os caules à grade, que depois é mergulhada na água.
A mão humana, empenhada em reconstruir o que em tempos degradou, acaba aqui. Agora a natureza encarregar-se-á de fazer renascer a pradaria que há décadas povoou o fundo do mar no Portinho da Arrábida.



 
O Sr. Joãozinho das Perdizes 2
para qualquer parte que ia, acompanhava-o uma tumultuosa matilha de galgos, podengos e perdigueiros

Pelo lado físico, suponham um sujeito de trinta e cinco anos, gordo, vermelho, de longas e encaracoladas melenas em desordem, bigode aparado e a barba quase sempre malfeita ou por fazer. Na maneira de vestir inculcava os hábitos da vida e um certo desleixo com sua pessoa, que lhe era peculiar. Trazia o colete quase sempre desapertado e com alguns botões de menos, de modo que os peitos da camisa formavam hérnia pela abertura; entre as calças descaídas e o colete avistava-se o cós das ceroulas, no qual era jeito muito seu o enfiar a mão; ao pescoço trazia um lenço de seda escarlate, negligentemente atado e com longas pontas flutuantes; uma jaqueta de peles com alamares, calças de fazenda chamada pele do Diabo, botas de montar e esporas constituíam o resto do vestuário.
O cigarro, que quase sempre fumava até às últimas, crestara-lhe profundamente as pontas dos dedos e o canto dos lábios. O palito andava-lhe sempre atrás da orelha; a navalha de ponta na algibeira, e, para qualquer parte que ia, acompanhava-o uma tumultuosa matilha de galgos, podengos e perdigueiros. Júlio Diniz. A Morgadinha dos Canaviais 1920

 
O Sr. Joãozinho das Perdizes,
era morgado e proprietário em uma das freguesias próximas…
Graças … ao seu génio despreocupado e folgazão … Frequentava as feiras, onde ia para jogar e fazer trocas de cavalos com os ciganos, e às vezes para dar e levar sovas monumentais.
… Em todas as tabernas das freguesias vizinhas tinha contas em aberto, o que não obstava a que entrasse em todas com ares de conquistador e expendesse ali as suas opiniões absolutas, com grande exibição de berros e de punhadas.
Com todas estas qualidades, era o Sr. Joãozinho das Perdizes um homem verdadeiramente popular entre os da sua freguesia; movia-os no sentido que quisesse.
Tudo por lá era o Sr. Joãozinho; não havia função, rixa, solenidade oficial, para que ele não fosse consultado. É que a superioridade do morgado das Perdizes não era daquelas que intimidam e acanham o povo; ninguém hesitava em falar-lhe e em procurá-lo em casa, porque, falando e vivendo com eles, o Sr. Joãozinho não constrangia ninguém.
Os seus defeitos, a sua vida de feiras e de tabernas eram outras tantas causas a popularizá-lo; justo é porém que se diga que algumas boas qualidades também para isso concorriam. O Sr. Joãozinho não era avarento, nem soberbo. Sentado a beber, e com dinheiro no bolso, não consentia que pessoa alguma, desde o mais rico proprietário até ao jornaleiro mais miserável, recusasse tomar assento a seu lado. Não eram poucos os filhos-famílias que resgatara de soldado, sem a menor caução ou interesse, chegando a ficar empenhado para os livrar; e se algum desgraçado se via perseguido pela justiça, encontrava, fosse qual fosse a enormidade do crime, asilo seguro na herdade das Perdizes, que em certas épocas era um perfeito valhacouto de malfeitores.
Graças, pois, a estas análogas qualidades, era o Sr. Joãozinho uma verdadeira potência eleitoral.
Júlio Diniz. A Morgadinha dos Canaviais 1920

29.7.07

 
FARSA DE INÊS PEREIRA

«A seguinte farça de folgar foi representada ao muito alto e mui poderoso Rei D. João o terceiro do nome em Portugal, no seu Convento de Tomar, era do Senhor 1523. O seu argumento he que, porquanto duvidavão certos homens de bom saber, se o Autor fazia de si mesmo estas obras, ou se as furtava de outros autores, lhe derão este tema sôbre que fizesse: s. hum exemplo comum que dizem: Mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube. E sôbre este motivo se fez esta farça

Como se vê, as obras do Claustro de Torralva ainda não tinham terminado.

"No tempo de D. Manuel, o rei e a corte ouvem, riem, gostam. Mas no reinado seguinte, os teólogos já franzem o sobrolho. No mesmo ano em que o rei pediu em Roma a estabelecimento da Inquisição..(1531) ... representou-se, em Antuérpia, na presença do legado do Papa, um dos mais atrevidos autos de Gil Vicente, precisamente o que tinha por tema o assunto escaldante do tráfico de indulgências. Os teólogos romanos indignaram-se e fizeram queixa ao Papa. Não foi em vão. O poeta teve um processo e expiou dois anos de castigo. Ainda voltou à corte em 1536 e é nessa última representação que nos dá o seu auto-retrato de pensador amordaçado. Mas nesse ano começou a funcionar a Inquisição, e um silêncio sepulcral desceu sobre Gil Vicente"
JH Saraiva. História de Portugal. Eur-América 1993

Etiquetas:


 
Nem avós?

Nem bebés nem crianças pequenas deviam ficar mais de 30 horas por semana aos cuidados de alguém que não os pais. O conhecido pediatra Berry Brazelton e o pedopsiquiatra Stanley Greenspan. A Criança e o Seu Mundo (Editorial Presença). Público 29.07.2007

Uma cláusula do contrato colectivo de infantário (…devem30 horasalguém que não os pais).

 
"É disto que o país precisa", mais 5400 camas no Algarve
Sócrates. Público 29.07.2007

 
O regular "funcionamento das instituições" também vai ao Chão

Uma Região Autónoma recusa aplicar uma lei nacional - e isto corresponde ao mais irregular "funcionamento das instituições". A questão central é a do acatamento, ou não, pela Madeira, de uma (qualquer) lei da República. E é da República que Cavaco é Presidente. E foi a sua assinatura que tornou aquele acatamento obrigatório. Nuno Brederode Santos

 
Por dez mil votos vale bem ir ao Chão

Marques Mendes vai ao Chão da Lagoa; o artista convidado é Tony Carreira.

28.7.07

 
Convento de Cristo
O claustro de Torralva


Para o viajante, o claustro é seco e frio. Digamos isto doutra maneira: assim como Diogo de Torralva, autor do projecto, se não reconhecia no manue­lino, e por maioria de razões no româ­nico ou no gótico, também o viajante, que historicamente assistiu e assiste à sucessão dos gostos e dos estilos, pode, do seu ponto de vista de hoje, não se reconhecer no neoclássico romanista, e como está obrigado a dizer porquê, diz que por secura e frieza da obra. É subjectivo isto. Pois será. Tem o via­jante direito às suas subjectividades, ou então não lhe seria de nenhum pro­veito a viagem, pois viajar não pode ser senão confrontação entre este e aquilo. Sosseguemos, porém: rejeições totais, não as há, como não há totais aceitações.

O viajante deixa no claus­tro de D. João III uma paixão: aquelas portas do piso térreo, entre as colunas, com o seu janelão superior, triunfo da linha recta e da proporção rigorosa. J. Saramago. Viagem a Portugal. Círculo de Leitores 1981.

Etiquetas:


 

O Convento de Cristo; os estilos

Depois de várias medidas inspiradas no movimento humanista-renas­centista (apoiou o teatro e a poesia na Corte, protegendo Gil Vicente, Garcia de Resende, Damião de Góis, Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro, André de Resende, João de Barros, Pedro Nunes e Luís de Camões), do impulso das últimas viagens na Ásia e da reorganização do espa­ço brasileiro, João III, que ainda seria considerado, no início, um Príncipe do Renascimento», acabaria por se focalizar na nova guerra ideológica europeia da altura (entre a Reforma e a Contra-Reforma).Tornaram-se simbólicas as suas decisões de renovação do pedido ao Papa para a criação em Portugal da Inquisição e o convite, em 1540, aos Jesuítas para se estabelecerem em Portugal vindo a dominar o ensino secundário e parte do universitário.

O historiador Oliveira Marques fez desta mudança estratégica no tempo de João III um quadro arrasador: «O príncipe tolerante, aberto às correntes internacionais de pensamento, louvado por humanistas e sempre disposto a acolhê-los, o verdadeiro Mecenas, deu lugar a um governante fanático e curto de vistas, controlado pela Companhia de Jesus e pelos defensores de uma estrita política de Contra-Reforma, mandando prender e condenar aqueles mesmo que antes convidara, reduzin­do despesas e subsídios, fechando escolas e geralmente isolando-se, e ao país de influências externas»"



Sepultura de Baltazar de Faria… impetrou do Santo Padre Paulo II a bula do Santo Ofício da Inquisição por mandado Del Rei D. João o III...

Uma espécie de ponto final exactamente no mesmo local onde germinou a abertura portuguesa da globalização.


 

Convento de Cristo

Como se explicam dois estilos antagónicos em menos de 30 anos, em dois reinados de pai e filho, tão diferentes?
A D. Manuel, a quem tudo correu bem sucedeu seu filho, João III, um desventurado que subiu ao trono no início da recessão do Império (no final da onda X de Kondratieff) com o país esgotado pela sobre-expansão.
Mas há também razões subjectivas para a viragem de um príncipe do renascimento para um instaurador da Inquisição.

1. Quando
João III tinha 16 anos escolheram-lhe para noiva a juvenil infanta D. Leonor, irmã do imperador Carlos V, porém D. Manuel, que tinha enviuvado, agradou-se da noiva destinada a seu filho, e escolheu-a para as suas terceiras núpcias. 0 príncipe ressentiu-se muito com o procedimento de el-rei, que considerou uma ofensa, e desde então se ficou sombrio e melancólico, tornando-se fanático em extremo.
Tinha pouco mais de 19 anos quando faleceu seu pai, em 1521. Era muito afeiçoado à madrasta, e parece que a rainha viúva D. Leonor lhe correspondia com igual afecto. Chegou-se a murmurar destes amores, despertando ideias de um casamento, que muito agradava ao povo. Carlos V, porém, é que se opôs, pretendendo que a irmã casasse com o rei de França, Francisco I, e D. Leonor retirou-se para Espanha. D. João III veio depois a casar com D. Catarina, outra irmã de Carlos V.
E os desgostos não ficaram por aqui:
2. Foi o próprio rei D. João III que foi receber Joana (a noiva do príncipe), em 5 de Dezembro de 1552. Quer isto dizer que o príncipe já se encontrava doente. Em Outubro do ano seguinte o seu estado é desesperado. Tem febre alta e devora-o a sede. Como acontecerá com Filipe II, os médicos proíbem-lhe todo o regime hidratante, o que produz um suplício. O príncipe consegue iludir a vigilância dos camareiros e embebe uma toalha em água da chuva e dessedenta-se com ela. Morre, em 1 de Janeiro, esse último varão duma casa em que só as mulheres têm ainda uma resistência que funciona nos ter­mos do orgulho e duma certa praxe cultural facilitada pela riqueza. "Como um anjo" – dizem que morre. É o coma diabético, com a perda de reflexos e a respiração ampla e dispneica.
D. Sebastião nasce em 20 de Janeiro, e só depois do seu bap­tismo Joana é informada da morte do marido. Só então o luto foi permitido e o príncipe inumado.
Agustina Bessa-Luis O MOSTEIRO. Guimarâes Ed. 1980 (4ª edição 1995)

 
Um novo continente

movimentos tectónicos da massa fluida

 
Idosos em lista de espera

Na questão da natalidade … cabe ao Estado promover o nascimento de mais crianças.
Na questão do envelhecimento da população, cabe ao Estado intervir directamente e encontrar soluções.
... a Madeira não aplicará a lei da
IVG "se não vier mais dinheiro do Estado".

Vinte anos depois da queda do Muro, o Estado garanhão, o Estado patrão, o Estado padrinho, o Estado banqueiro, o Estado tecedeira de anjos, o Estado coveiro, o Estado entre as espécies em vias de extinção.

 
O Estado e as espécies em vias de extinção

1. A Quercus vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia contra o Estado português por considerar que o Governo não está a adoptar as medidas necessárias para salvar da extinção os golfinhos do Sado, cuja população actual é metade da de há 30 anos. Público 28.07.2007
2. Em 2006, nasceram em Portugal menos 4.100
bebés que no ano anterior (INE); em 2050 o país terá perdido um quarto da sua população.
Na falta do ramo humano da Quercus, o DN manifesta-se, exigindo que o Estado cumpra as suas obrigações.

 
Produtos brancos

CDS, PSD, PS e PCP... embalagens diferentes do mesmo produto. Santana-Maia Leonardo, Público 28.07.2007

 
Doação de células só com consentimento
Público 28.07.2007

Haverá doação sem consentimento?

 
O trabalho dá saúde

Entre 10 a 25 % dos casos de asma em adultos relacionados com local de trabalho.
* Os restantes 90 a 75% estão "relacionados com a habitação".

 
Qualidade do serviço

"El Solitário", em prisão preventiva na cadeia de Monsanto (**), em Lisboa, está em greve de fome, exigindo ser transferido para a prisão de Coimbra (***). Público 28.07.2007

* É no que dão os rankings.

 
Parto em Agosto

O Hospital Garcia de Orta (Almada), uma das maiores maternidades do País, está a transferir grávidas por não ter médicos suficientes para assegurar os serviços de urgência e a actividade normal de obstetricia. A somar a isto, o período de férias fez rebentar uma situação de crise de recursos.

* Quem programa um parto para Agosto, em vez de um parto para férias?

27.7.07

 

Ogivas em Tomar 4


Ponte de Peniche

 

Ogivas em Tomar 3


Estaus (Sec XV), na rua dos Arcos.
Uma espécie de caravansarái com quartéis para os feirantes. Em cima os quartos, em baixo, sob as arcadas, a feira; à noite, ali ficariam os bens, os carros e as mulas.
Agora ali param os táxis.

 

Ogivas em Tomar 2

Claustro do Infante D. Henrique (ou do cemitério) (Sec. XV). Convento de Cristo

 

Ogivas em Tomar 1
Claustro da Lavagem (Sec. XV). Convento de Cristo

 
Contra a gordura, mais bandas gástricas laxas ?

A obesidade está a aumentar rapidamente em Portugal: em todas as idades a percentagem de obesos cresceu de forma significativa nos últimos cinco anos de estagnação económica. Nos de 55 -64 anos, a percentagem de obesos aumentou 30,7 %.
Engordámos 30.7% (de 17.9 para 23.4) quando o objectivo era diminuir para 8; seria necessário recuar a 1990 para encontrara tal valor (por extrapolação).
Regredimos ao empanturrarmo-nos, como com a canela da Índia e o oiro do Brasil.
Mais um ciclo de Kondratieff. A história repete-se; à terceira vez, já cheira mal.


Mais poder de compra para bandas gástricas ou menos empanturrados?
Mais responsáveis ou mais coitadinhos?

 
Bulas dos remédios
são "confusas e de leitura difícil"


Da próxima vez a Deco Proteste irá tentar interpretar as leis portuguesas.

 
Sonae comprou Carrefour portuguesa
Onze licenças para novos espaços comerciais

Espero que Paulo Azevedo saiba sair da encruzilhada – uma camisa de onze varas -- em que se meteu.

 
Provedor aponta ilegalidade relativa à mobilidade no Ministério da Agricultura

O provedor de Justiça tem razão; é natural que o pessoal da Agricultura, há tanto tempo no mesmo lugar, tenha ganho raízes que tornam impossível a mobilidade. Já o mesmo raciocínio dificilmente se aplica ao da Direcção-Geral de Veterinária, salvo em caso de artrose grave.

 
Contra o medo, coragem

"O que se quer e o que se pede é que todos sejam livres", frisou ontem o Movimento de Intervenção e Cidadania, ao apelar aos cidadãos para que manifestem publicamente, "por todos os meios ao seu alcance", a sua concordância com o teor do artigo de Manuel Alegre Contra o medo, liberdade. Graça Barbosa Ribeiro. Público 27.07.2007

* Não creio que a liberdade é algo que se peça mas algo que se consegue. É mais fácil exigir mais liberdade do que mais coragem, quando esta, como sempre, se paga. Os meios estão ao alcance de qualquer: Res non verba.

26.7.07

 

À sombra da Miz

 

O velho avô; uma sombra

 
Dia dos Avós

No Interior Norte os portugueses têm uma visão mais optimista sobre a situação dos idosos: 30,6 % (contra 25,7 a nível nacional) consideram que está melhor do que há cinco anos. Esta visão é partilhada por 31,5 % dos inquiridos entre os 55 e os 64 anos.
No outro extremo, o dos campeões das apreciações negativas, estão os residentes no Litoral Centro, os indivíduos das classes alta e média alta e os que têm entre 35 e 44 anos - 52,6, 52,5 e 52,4 %, respectivamente, entendem que a situação piorou. Marktest (814 entrevistas telefónicas).

* Os que ficaram estão mais optimistas que os que partiram na esperança de vida melhor. Ficaram os resignados e partiram os arrojados, agora desencantados?
Os que nasceram depois do 25 de Abril estão mais preocupados; malhas que a expectativa gorada, não a revolução, teceu.


Os problemas económicos (35,8%) e a solidão (26,4%) são apontados como as principais dificuldades dos idosos, seguindo-se à distância os problemas relacionados com a assistência médica (14,4%) e a falta de equipamentos de apoio (12,7%).

* A assistência médica não é sentida como um problema prioritário ao contrário da solidão
. R./ Hable con Ella

 

A vingança póstuma da duquesa de Mântua

São seis os hospitais públicos que já estão a recorrer à Clínica dos Arcos para a realização de abortos. Mas mais acordos prestes a ser assinados, disse a directora do estabelecimento.

 
Liberdade e rigor de informação

Um abaixo-assinado contra o Estatuto do Jornalista foi subscrito por cerca de 600 profissionais alertando para os perigos do estatuto e afirma estar em curso o mais grave atentado contra a liberdade de informação.

* Nenhum dos dois jornalistas da entrevista à SIC foi capaz de indicar um único desses perigos ou contraditar os argumentos do PM.

 
Gravata vermelha para balanço de meio mandato

Isto será motivo de título ?
Leiam; isto será notícia de meio mandato?

25.7.07

 
Cérebro humano apaga memórias

Sempre que soube que a função primordial da memória é esquecer; na Universidade do Colorado descobriram o mecanismo subjacente: como é que o cérebro suprime imagens traumáticas. Esta pesquisa pode vir a revolucionar as terapêuticas utilizadas nos doentes com stress pós-traumático ou com perturbações de ansiedade devidas à incapacidade para gerir memórias debilitantes. Um processo semelhante aos dos cães de Pavlov.

* Em Portugal essa terapêutica há muito foi descoberta e tem sido usada com sucesso nos livros de memórias.
Há-os de vários tipos: os catárticos a pedir consolo, os confessionais a pedir penitência, os que reescrevem a história, os que ajustam contas com o passado ou com os outros e muitos mais.
O que mais me surpreende é aquele em que a autora como que migra de uma encarnação a outra; melhor (que alma já não é a mesma), que sofre um fenómeno de metamorfose: larva, ninfa e, por fim, “insecto perfeito” (perfeito no sentido do de D. João II).

O mesmo DNA com a memória destilada quando sai do casulo.

 
Seguro amarelo

 


Parede segura
.
.
.
.
.
.
.
.

paredes amarelas de Tomar


 
O degelo




Nível da cheia do Nabão de há cem anos.




recent global warming?

 
O fanatismo contra o mercado

Camião armadilhado explode em mercado iraquiano e mata 105 pessoas.
Num mercado ao ar livre no Norte do Iraque, explodiu um camião carregado de explosivos, matando 30 pessoas.

 
A lei do mercado a funcionar

Os trabalhadores mais bem remunerados recebem salários que são, em média, cerca de 11 vezes superiores aos dos menos bem pagos. Em 10% das empresas, esse ratio chega a 30. Balanço Social de 2005
Um estudo da McKinsey conclui que temos dos piores gestores do mundo.
Nicolau Santos. Um futuro negro. Expresso/Economia. 21.7.2007

 
Partido SA

Acções
Bolsa
OPA


Experimentem privatizar os partidos; obrigá-los … a viver de quotas e recolhas de fundos. Rui Ramos. Público 25.07.2007.

Partidos privados ou cooperativas militantes?

 
"só para ser diferente do que vinha a ser pensado no passado"

Sobre a saga do CMI - que passou de um projecto autónomo a valência a construir perto do Hospital S. João e é agora uma inclusão no Santo António -, Correia de Campos disse: "É preciso esquecer o que se passou, as intrigas". Até porque, garantiu o ministro perante médicos do Hospital Pediátrico Maria Pia, a decisão de construir o CMI - do então ministro social-democrata Luís Filipe Pereira - nos terrenos do S. João correspondeu a "um projecto partidário sem sentido, só para ser diferente do que vinha a ser pensado no passado".

* A história repete-se. Não se deve "esquecer o que se passou".

 
O objectivo era baixar os preços

Mas, dois anos depois de o primeiro-ministro ter anunciado que os medicamentos não sujeitos a receita passariam a ser vendidos fora das farmácias, estes remédios estão mais caros. Em média 3,5%. Deco Protest

Quando se definem objectivos errados é raro que os resultados sejam bons.
O objectivo não é baixar os preços dos medicamentos. Como a saúde não tem preço, o importante é usar adequadamente os medicamentos … e os alimentos, os transportes, as férias e fruir a vida.

 
E isto é o mercado a funcionar

O objectivo era baixar os preços. Mas, dois anos depois de o primeiro-ministro ter anunciado que os medicamentos não sujeitos a receita passariam a ser vendidos fora das farmácias, estes remédios estão mais caros. Em média 3,5%.
De acordo com um estudo da Deco Protest, é nas farmácias que os preços mais subiram desde que foram liberalizados. "O Governo entendeu, a dada altura, pôr o mercado a funcionar. E isto é o mercado a funcionar", diz a Associação Nacional de Farmácias.

24.7.07

 
Culturas entrecruzadas

"No regresso, o cruzado já é meio sarraceno." Bernard Shaw
Charola Templária. Convento de Cristo, Tomar.
(Uma depois das sete mais votadas)

 
A origem da www

Pacientemente, os portugueses de há 500 anos começaram a urdir a teia da globalização.
J. Nascimento Rodrigues, Tessaleno Devezas. Portugal, O pioneiro da globalização. Centro Atlântico, Lisboa 2007
.Convento de Cristo, Tomar

 
Um olho para cada lado

Sempre me incomodaram as pessoas susceptíveis: nunca se sabe quando se vão ofender e acabamos a policiar as nossas próprias palavras. As sociedades susceptíveis não são diferentes: começa-se a castigar piadas de mau gosto "evidente", sobre príncipes ou primeiros-ministros, e acaba-se como uma rolha enfiada na garganta. Prefiro mil piadas foleiras ao silêncio medroso de quem receia ofender o poder. Antes um príncipe Filipe em pelota do que juízes compostinhos, com face rija e cabeça calafetada. João Miguel Tavares.

* Sempre me incomodaram os maniqueístas – ou tudo ou nada, que saltam do oito para o oitenta. Como se, tendo cada olho virado para cada lado, lhes faltasse a noção da distância que só a visão binocular permite.

 
Os alicerces

Essencial para a concretização do Plano Tecnológico da Educação é a formação dos professores,
alargando o conceito Simplex às escolas.

 
As calculadoras não precisam de ir à Escola
Alexandre Castro Caldas. Público 24.07.2007

... entregar uma calculadora a um aluno que está em fase precoce de aprendizagem se pode equiparar a dar um automóvel a uma criança que está a começar a andar para que o não faça e se movimente mais facilmente...
... o nosso cérebro é a máquina mais competente para resolver os problemas, desde que o saibamos informar adequadamente.
Se a Escola criar
a dependência das máquinas.. . vamos continuar na cauda do mundo no que respeita a competências cognitivas, e seremos capazes de nunca vir a inventar máquinas que nos ajudem quando as operações exigem capacidades que o nosso cérebro não tem.
* Nem sequer reparar as que se estraguem; foi o que aconteceu na euforia das especiarias – convencemo-nos que não seria necessário aprender a gerir.

23.7.07

 
«Escola do futuro» orgulho novo- informático

O objectivo da “escola do futuro” é a oferta de um computador a cada aluno – imagino que terá corrector de texto, calculadora, inteligência artificial, GPS, auto-censura e videovigilância.
A apresentação do mesmo foi feita com alunos virtuais, simulados por crianças-actores contratadas por uma agência para a promoção do programa.
O PM esclareceu que o novo quadro da escola do futuro será um ecran de plasma interactivo que corrige o losango que a professora tenha eventualmente desenhado mal.
O Plano Tecnológico da Educação é visto como um enxerto de um disco-duro acessório -- uma crosta tecnológica sobre o magma piroclástico da ignorância pelágica.

 

A arroz como sinal de prosperidade nupcial
transplantado da Indochina

 

O arroz no Mondego
transplantado da Indochina

22.7.07

 
Janela da casa do Capítulo
(pormenor)
Convento de Cristo
Tomar

 
Desmanchos à la minute.

"Entre cinco e sete minutos no bloco operatório são suficientes para o aborto cirúrgico", garante Yolanda Hernandéz.

Desfazer costuma demorar menos que fazer; não é o caso do desmancho.
Seis minutos era quanto Albertino de Barros demorava numa cesariana.

 
Refugo

Um estudo desenvolvi­do pela McKinsey junto de qua­tro mil empresas nos EUA, Asia e Europa conclui que temos dos piores gestores do mundo. Nicolau Santos. Um futuro negro. Expresso/Economia. 21.7.2007
As confederações patronais advogam o direito de
não reintegrar trabalhadores despedidos sem justa causa. Este estudo justificará despedir os gestores portugueses por justa causa e sem direito a reintegração.

20.7.07

 
O tabuleiro de xadrez das cidades do renascimento

O núcleo histórico de Tomar constitui um interessante exemplo de urbanismo medieval nascido sob a égide da poderosa Ordem dos Templários, primeiro, da Ordem de Cristo, depois de 1319 e, certamente por isso, obedecendo a um traçado ortogonal em xadrez, com ruas paralelas a 2 eixos principais (NS e EO) que se cruzam em ângulo recto, na Pç. da República, desenvolvido entre o morro do castelo, onde se ergue o Convento de Cristo e o rio Nabão. Isabel Mendonça 1997

O xadrez: as ruas E/O são mais largas (a Corredora dos cavalos) , de forma a aproveitar o Sol oblíquo do início e fim do dia. O núcleo histórico rodeia a Praça da República (do rei D. Manuel) onde a Câmara Municipal dos peões (homens bons a que esse rei outorgara Foral Novo) e com as costas quentes pela Ordem dos cavaleiros de Cristo, enfrenta a Igreja de S. João Baptista (o bispo). Perto, discreta, a Sinagoga (Sec XV) da antiga Judiaria. Cheque ao Rei que precisava de dinheiro.

Em meio século: reconstrução da Igreja de São João Baptista (1467 ); o rei força a população a abandonar o castelo (1499); D. Manuel concede foral novo a Tomar e criação da Misericórdia (1510).

Etiquetas:


 
A Mancha da Europa


1. Uma enorme inundação há dois mil séculos terá separado o continente europeu das ilhas britânicas e levou à extinção dos Neandertais, o que explica a ausência de fósseis de homens primitivos na Grã-Bretanha.
Os cientistas sugerem que deve ser ainda estudado o efeito que a inundação do canal da Mancha terá tido em toda a região do Atlântico Norte depois de uma tamanha descarga de água doce no mar. Nature.
.
.
2. Foi certamente essa água da mancha que provocou a separação da Macaronésia do continente; a menor latitude explica a sobrevivência de exemplares pré-históricos já extintos na Europa.

 
Refugo maltriado

As confederações patronais esclarecem que "nunca propuseram ou sequer advogaram o despedimento por motivos políticos ou ideológicos" mas apenas o direito de não reintegrar trabalhadores despedidos sem justa causa.
As confederações entendem que "a eliminação da reintegração na lei não contende com a proibição constitucional dos despedimentos sem justa causa".

* Não é justo que se obriguem os patrões a recuperar do refugo material que se verifique ter sido mal triado.

Etiquetas:


19.7.07

 
Portela + 1 !
Portela - 186 ?

 
Um incêndio de grandes dimensões lavra na Chamusca

Em pleno Verão esperavam que só chamuscasse?

 
Pé em falso


os portugueses têm pouco cuidado com os pés.
os problemas mais frequentes são as infecções crónicas (por fungos- o pé-de-atleta) e os calos .
Foram rastreadas 705 pessoas em farmácias; as mulheres … constituíram 73% da amostra.


Uma parte dos problemas começa nos sapatos. "Os portugueses preocupam-se mais com a estética do calçado do que com o conforto." Os saltos ideais, esses, devem ter três a quatro centímetros para elas e um a dois para eles. " Conselhos simples . Público 19.07.2007

Conselhos simples:
Olhem bem onde põem os pés.
Não usem calçado novo; quanto mais velho melhor.
Sem saltos bruscos ... nem pedras.
Cuidado com os inquéritos: para avaliar a percepção dos portugueses sobre os problemas dos pés, o Instituto Politécnico de Saúde do Norte usou uma amostra de tamanho semelhante à usada pela empresa de estudos de mercado Spirituc para avaliar as Percepções da População e dos Médicos sobre a Saúde em Portugal. Público 30.06.2007
Cuidado com a farmácia : podem ser incluídas numa amostra de conveniência.

18.7.07

 
Senha perdida na DiGES
Público 18.07.2007

O serviço de candidaturas on-line ao ensino superior continua indisponível ao fim de oito dias.
A Direcção-Geral do Ensino Superior atribuiu o atraso a "razões de segurança".

 

Eu, abaixo assinado… "Tenho conhecimento da minha obrigação de prestar assistência às mulheres cuja saúde esteja em risco...
Público 18.07.2007

Etiquetas:


 
Festa dos Tabuleiros

O culto do Espírito Santo, igualitarista e aclerical teria sido introduzido em Portugal pela corte da Rainha Santa e apoiado pela Ordem de Cristo, único ramo dos Templários salvo de extinção em Portugal por D. Dinis, marido de D. Isabel. Teria sido teorizado por Joaquim de Fiore um Cisterciense radical e previa que, depois da Idade do Pai (Velho Testamento) e da do Filho (Era de Cristo) viria uma terceira Idade, a do Espírito Santo, sem clero nem nobreza, onde todos seriam iguais e partilhariam os haveres -- o pão, a carne e o vinho, o que o cortejo dos Tabuleiros simboliza.
A organização da festa dos Tabuleiros é das irmandades das freguesias, não do clero que apenas os abençoa no adro da Igreja, frente à Câmara municipal.
A iconoclastia vai mais longe em Eiras (Coimbra) onde se coroa um “imperador” que, por ironia costumava ser uma criança ou um tolo – onde não havia maldade. Assim, cada Tabuleiro tem uma coroa rematada por uma cruz ou uma pomba.
O mito pentecostal faria com que todos nos entendêssemos, como se todos falássemos a mesma língua – o mito anti-Babel, indispensável à tarefa ecuménica que a Ordem de Cristo promovia.

Etiquetas:


 
www.e.Pentecostes/
UCLA.usa

A resposta cerebral da rede neuronal mostrou que a linguagem gestual da cultura diferente da sua despertava muito menos actividade cerebrais do que a da sua. … as mensagens das pessoas (e as próprias pessoas) da mesma cultura são mais facilmente compreendidas e aceites do que as outras.
"Creio que os nossos são os primeiros dados neurobiológicos que mostram uma resposta cerebral a estímulos culturais específicos", explicou satisfeito
Istvan Molnar-Szakacs, UCLA.

* Uma nova maneira (Zip) de naturalizar: despertar artificialmente no estrangeiro as actividades cerebrais que a linguagem gestual da cultura nacional desperta naturalmente nos indígenas.

Etiquetas:


17.7.07

 
Portugal, pioneiro da globalização

Os primeiros recursos vieram daqui: Moinhos da Ordem e Lagares d'El-Rei, Tomar.

foi com o dinheiro da Ordem de Cristo e, deste, sobretudo das rendas das azenhas e moinhos que foi possívelAmorim Rosa. História de Tomar 1965

A moagem e os lagares, a indústria agro-alimentar, era monopólio da Ordem.

Archives

12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter