alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

31.3.13

 

A cheia do Douro e os areeiros d'ouro.

SocioMeteorologia atrevida

Quando José Sócrates fazia (mesmo que mal) todos os esforços que um primeiro-ministro deve fazer para evitar a intervenção externa da União Europeia e do FMI, a intelectualidade bem pensante babava-se com a perspectiva da vinda do FMI. Sócrates tinha uma pequena abertura que quis forçar, e que esteve quase a forçar, com a ajuda de Barroso e do BCE. Teresa de Sousa

 1. Autoridades prevêem que Douro galgue as margens 
Segundo o comandante do CPPCDouro, a quantidade de chuva que caiu no noroeste peninsular obriga as barragens nacionais e espanholas a efectuarem descargas de grandes quantidades de água, tornando "muito provável" a ocorrência de uma cheia no Douro.  
O Douro já inundou a zona do cais do Peso da Régua, nomeadamente o bar e o estabelecimento de venda de produtos regionais. 


*Construção desordenada em leito de cheia confiando na seca provocada pelo aquecimento global e na segurança das barragens d’aquém e d’além fronteira;
A chuvada inesperada, vinda do Atlântico;
Sacos de areia, muitos sacos de areia, aconselhou toda agente;
Começou a faltar areia para a construção civil;
O poder obrigou os areeiros d’oiro a ceder areia para os diques (as motas);
A ameaça dos areeiros.

A paragem da chuva, que se resumiu a alguns aguaceiros, aliada à capacidade de contenção das barragens a montante, permitiu que o rio Douro descesse cerca de um metro à passagem pelas zonas ribeirinhas do Porto e de Gaia.

*A chuva abrandou e o rio não transbordou pela acção conjugada das barragens com as marés;
 Se o poder não tivesse cedido aos areeiros d'oiro e não tivesse pedido a ajuda da troika ...

3. ... as taxas de juro da dívida alemã voltam a descer para valores próximos de zero, fazendo a Alemanha ganhar imenso dinheiro à custa da desgraça dos outros. Teresa de Sousa


Etiquetas:


 

Consoada na Páscoa

Na Muxima há 50 anos

Uma oportunidade perdida.

INFÂNCIA PERDIDA
 (para o Miau)

Nesse tempo, Edelfride
com quatro macutas / a gente comprava
dois pacotes de ginguba / na loja do Guimarães.

Nesse tempo, Edelfride,
Com meio angolar/ a gente comprava
cinco mangas madurinhas/ no mercado de Benguela.

Nesse tempo, Edelfride
montados em bicicletas/ a gente fugia da cidade
e ia prás pescarias/ ver as traineiras chegar
ou então
à horta do Lima Gordo/ no Cavaco/ comer amoras fresquinhas.

Nesse tempo, Miau, (alcunha que mantiveste no futebol)
nós fazíamos gazeta/ da escola coribeca
e íamos os quatro/ jogar sueca
debaixo da mandioqueira

Diz a tua Mãe
que o menino branco/ um dia há-de voltar
cheio de pobreza e de saudade
cheio de sofrimento/ quase destruído pela Europa,

Ele há-de voltar/ para se sentar à tua mesa
e voltar a comer contigo e com teus irmãos
e meus irmãos/ aquela moambada de domingo
com quiabos e gengibre
aquela moambada que nunca mais esqueci
nos longos domingos tristes e invernais da Europa
ou então / aquele Calulu de Dona Ena.

Diz a tua Mãe, Edelfride,
que ela ainda me há-de beijar como fazia
quando eu era menino/ branco
bem tratado/ quando fugia da casa de meus Pais
para ir repartir a minha riqueza/ com a vossa pobreza.
Diz tudo isso a toda a gente/ que ainda se lembra de mim.
Diz-lhes e diz-lhes/ grita-lhes/ aos ouvidos
ao vento que passa/ e sopra nas casuarinas da Praia Morena
diz aos mulatos e brancos e negros/ que foram nossos companheiros de escola
que te escrevo este Poema/ chorando de saudade
as veias latejando/ o coração batendo/ de Esperança, de Esperança
porque ela/ a Esperança
(como dizia aquele nosso Poeta / que anda perdido nos longes da Europa)
está na Esperança, Amigo.

Edelfride, você não chore/ saudades do Castimbala
nem lhe escreva/ cartas como essa
que são de partir/ meu pobre coração.
Poetas Angolanos. Antologia da Casa dos Estudantes do Império 1962

Etiquetas: ,


30.3.13

 

Tele-democracia mediática

                                                                                           tele- 
                                                                                                       (grego téle, à distância) 


O regresso de Sócrates alertou para um sintoma da perigosa permeabilidade entre jornalismo e política.
Este assunto tem a ver com o que é o cerne da democracia e revela-se como um sintoma de uma perigosa permeabilidade entre jornalismo e política, que contamina a essência do que deve ser a função do jornalismo numa sociedade democrática

Vale tudo
As televisões querem caras conhecidas, com algum prestígio, um aspecto agradável, uma voz simpática e um certo desembaraço a falar. O negócio convém às duas partes. Para as televisões, audiências maiores trazem mais dinheiro. Para os políticos, nada substitui a campanha eleitoral permanente do "comentário". VPV

Etiquetas:


 

Guerra e penitência pascais

Sociobiologia atrevida
Generais e arcebispos

A coreia é uma doença cujos sintomas mais óbvios  são movimentos corporais anormais e falta de coordenação, podendo afectar competências mentais e alguns aspectos de personalidade.

Etiquetas:


 

Filhos da pauta

Macedónia diz que “erro técnico” mudou voto de Pandev em Mourinho
* Erros que o Vice-Reitor Carlos Moreira diria serem filhos da pauta.

Etiquetas:


29.3.13

 

A narrativa

Nesta altura, em que a vitória nos sorria, ouve-se uma voz gritar: «Ter! Ter!». Era o traidor, capitão espanhol Baldaia, que o Rei de Espanha para lá mandou, em vez do velho general Duque de Alva, que havia prometido mandar. Uma traição!
A esta ordem falsa e traiçoeira do Baldaia : «Ter! Ter!» respondeu o Duque de Aveiro: «O meu cavalo não sabe voltar! Para a frente, cavaleiros!»  
E lá foram todos, numa arrancada heróica, para a glória da História, que se alcança numa carga brilhante em que se morre pela Pátria.
O Rei D. Sebastião, com um grupo de oficiais que não o abandonam, continua a luta com grande bravura; mas os terços da retaguarda tentam retrogradar, seguindo ou obedecendo à falsa ordem de «Ter! Ter!»
Os mouros, vendo-os retirar com todo o material, atacam com energia, aprisionando-os e pondo-os em fuga.

Etiquetas:


 

Regressos

O regresso do ex-primeiro-ministro
Visará mais do que um objectivo no seu regresso a este jogo. O ajuste de contas, em primeiro lugar, como Cavaco ficou a saber. Provavelmente, a José Sócrates interessa por enquanto manter a narrativa em aberto.
O regresso do ex-espião
Jorge Silva Carvalho, antigo director do Serviço de Informações Estratégicas do Estado, disse há dias: "A reintegração no Estado foi a melhor coisa que me aconteceu nos últimos tempos." Ninguém duvida que seja. 
Enquanto o país pasma, ele rejubila. Para quem está acusado de abuso de poder e violação de segredo de Estado é, sem dúvida, uma situação deveras extraordinária.
* Espião/ ex-espião/ Ex-pião/ Expião.


Etiquetas:


 

Assembleia da República


 A Assembleia da República aprovou, por unanimidade, dois votos de pesar
 ... um Estado que tem cerca de dois cidadãos activos por cada pensionista ou reformado", pressionou.
"Sou levado a crer que o ...", afirmou.
"O que o país inteiro estava à espera de ouvir era... desafiou.

Etiquetas:


 

"Não esquecem nada e não aprendem nada."


Para quem tivesse dúvidas, ficou claro que ao antigo primeiro-ministro se aplica como uma luva o comentário que Napoleão fez sobre os Bourbons: "Não esqueceram nada e não aprenderam nada."
Só Sócrates parece ainda achar que o mundo era perfeito, e o seu Governo excelso, até um banco falir. 
ninguém acredita nisso.
Mas o país que encontrou é outro. É um país, no mínimo, mais céptico e menos propenso a embarcar no tipo de ilusionismo em que é especialista. 
Já não encontra quem lhe compre auto-estradas, aeroportos e cheques-bebé, como em 2009.

Etiquetas:


27.3.13

 

Os acessos do Público

Novo Hospital de Vila Franca de Xira abre amanhã sem acesso concluído.
As obras dos acessos, a cargo de um empreiteiro contratado pela câmara local, ainda estão em curso.

Já é pecha dos novos hospitais e das velhas câmaras.
Porque não contratam o Público? ..um relatório a que o PÚBLICO teve acessooutro relatório a que o PÚBLICO teve acesso.

Etiquetas:


 

Os relatórios do IGAS e os títulos do Público

Hospitais têm mais de 80% dos médicos no horário da manhã
De acordo com outro relatório da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) a que o PÚBLICO teve acesso, os profissionais que mais "exercem as suas funções no período da manhã são os administradores hospitalares, os especialistas de informática, médicos e os técnicos superiores, com médias superiores a 80%".

* Não seria de esperar que o título fosse: Hospitais têm mais de 80% dos administradores hospitalares, especialistas de informática, médicos e técnicos superiores no horário da manhã?

Etiquetas:


 

Do rio violento e das margens que não o sustêm

Há médicos a receber incentivos para cirurgias no horário normal
Há médicos a receber incentivos financeiros no âmbito de um programa de redução das listas de espera para cirurgia (SIGIC) mas que, na prática, estão a fazer as operações que deveriam ser extraordinárias durante o horário normal de trabalho.
Estas situações foram detectadas pela Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS) e constam de um relatório a que o PÚBLICO teve acesso
a) Contactado pelo PÚBLICO, o coordenador do SIGIC, frisando que não leu o relatório em questão... 
b) As administrações hospitalares, "que são quem lida com os orçamentos e quem paga a estes médicos" não terão sido ouvidas ou também ainda não leram o relatório.
* Não seria de esperar que o (IGAS) ouvisse o (SIGIC) e as administrações hospitalares em causa antes de terminar o relatório?
* Não seria de esperar que estas inspecções servissem para corrigir erros e não apenas para denúncia Pública.(a)
* Não seria de esperar que, pelo menos, referissem quais (no mínimo quantos) e os serviços (no mínimo os hospitais) em causa?

* Não seria de esperar que o título fosse: Há médicos a receber e administradores hospitalares a pagar incentivos para cirurgias no horário normal?

Tantos relatos/ Tantas perguntas
B.B.

(a) O mal não é apenas da IGAS: O comissário europeu responsável pelo Mercado Interno lembrou que, caso a supervisão bancária europeia já estivesse de pé (a Alemanha adiou-a para 2014), Chipre teria tido muito menos problemas.  Teresa de Sousa

Etiquetas:


26.3.13

 

Remodelação secreta


Etiquetas:


 

Entidade reguladora da concorrência no mercado da saúde

Entidade Reguladora da Saúde diz que medicina privada em hospitais públicos deve acabar

1. A ERS faz saber que está "a analisar a concreta actuação dos estabelecimentos hospitalares públicos" onde se exerce medicina privada. Mas, para já, diz ao Governo que os eventuais benefícios da medicina privada nos hospitais públicos não compensam os riscos.

* - Fuzilem-nos provisoriamente ! ordenaria um general franquista na guerra de Espanha.

2. O processo teve origem em 2009. .... a ERS tomou conhecimento de que existiam hospitais do SNS que estavam a permitir o exercício de medicina privada nas suas instalações, após o horário de funcionamento dos mesmos.
Isto apesar de não existir qualquer instrumento jurídico que regule esse tipo de actividade.
O regulador constatou que a prática de medicina privada nos hospitais do SNS "não obedece a um quadro uniforme". Uma diversidade de situações que não agrada à ERS.
* Quatro anos depois, o argumento é a “ausência de instrumento jurídico” e a
"não obediência a um quadro uniforme"... que não agradará à ERS.

3. Porque considera que há "riscos para os direitos dos utentes".
"A disparidade de regras .... pode, eventualmente, potenciar uma sujeição dos utentes do SNS a maiores tempos de espera .... diz a ERS. Tal facto significa que "uma discriminação negativa dos primeiros face aos segundos".
* Como pode, eventualmente, potenciar...  significa que . A lei de Murphy.

4. .... um tratamento diferenciado em relação aos outros doentes. E até que goze de primazia.   ".... pode potencialmente prejudicar, de forma grave:
a) a transparência da relação contratual;
b)  o respeito pela sã concorrência entre estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde.....
c) "O utente corre um sério risco de encontrar dificuldades em demandar aquele que lhe prestou os cuidados de saúde em causa."
* ... pode potencialmente prejudicar as leis do mercado.

** O modelo seria uma vida sem riscos, salvo os dos códigos de barras.

Etiquetas:


25.3.13

 

Entropia

Um falhanço colossal
Porém, a economia de um país não é como a economia familiar. Uma família pode decidir gastar menos e tentar ganhar mais. Mas, na economia como um todo, gastar e ganhar estão correlacionados, dado que o que eu gasto é o que tu ganhas e o que tu gastas é o que eu ganho. Por conseguinte, se toda a gente decidir cortar nos gastos ao mesmo tempo não há receita, a economia pára e o desemprego aumenta. DOMINGOS FERREIRA
Bastaria imprimir mais moeda para relançar a economia?
“A economia de um país não é como a economia familiar”; a “ciência” económica é a única que não reconhece a 2ª lei da termodinâmica.

Etiquetas:


 

No regresso de Sócrates


Aliás, nem é preciso pagar a dívida. DOMINGOS FERREIRA
Afinal tinha razão. É por isso que dívida e dúvida diferem apenas numa letra; uma significativa letra.

Etiquetas:


 

Astrologia

Sei lá se é

Pelo que se vê, não é apenas Victor Gaspar que é astrólogo.


Etiquetas:


 

Não dever estar preso... ao dinheiro

 "Experimentar o luxo não deve estar preso ao facto de se ter ou não dinheiro"
*Foi por essas e por outras que tanta gente está endividada e poucas presas.

Etiquetas:


24.3.13

 

Aforro


Dois em cada três idosos não têm rendimentos suficientes para pagar o lar
.... tendo de recorrer a poupanças para pagá-la.
* Mas não é para isso que servem as poupanças?

Etiquetas:


 

O valor do lixo

Com menos receitas, entidades que gerem resíduos urbanos em Portugal cortam custos e tentam melhorar eficiência da reciclagem.
* Que diabo de vida em que o lixo dá lucro e a sua diminuição cria problemas.

Etiquetas:


 

Deus ou o tempo

Cada arquitecto tem de fazer o melhor que sabe. Depois o tempo dirá.”
Gonçalo Byrne. Público Ípsilon 22-3-2013
 “Matem-nos todos que Deus se encarregará de escolher os justos”.
* Pode parecer semelhante mas é totalmente diferente a ordem da cruzada contra os cátaros.

Etiquetas:


 

Património paroquial


.... a antiga cloaca romana, que definia o eixo do Decumanus menor, tem o triplo da largura da actual rua de origem medieval. Ana Vaz Milheiro. Público Ípsilon 22-3-2013

Para se perceber o ponto a que pode chegar o autismo institucional, bastará o facto de o Machado de Castro não ter sido incluído no processo de candidatura da Alta universitária de Coimbra a Património Mundial, isto a pretexto de que não pertence à Universidade, quando se trata do mais rico património museológico de Coimbra e está em pleno “território” universitário.
Entretanto, não há dúvida de que o Machado de Castro se impõe agora como um museu muito importante que deve ser visitado frequentemente. Se o Estado, a Universidade e a cidade conseguirem ultrapassar os seus vícios de relacionamento, e se as actuais opções de política económica mudarem, pode tornar-se um pólo decisivo na valorização cultural do país. Paulo Varela GomesPúblico Ípsilon 22-3-2013

Etiquetas:


23.3.13

 

Peixe

Cada vez mais pequenos

Etiquetas:


 

Querer gostar


Quem quer gostar de José Sócrates?
MIGUEL GASPAR 

Etiquetas:


 

ChecoChipre


Os responsáveis políticos de Chipre parecem ter optado, assim, depois de um dia repleto de ultimatos por vários líderes europeus, pela aprovação de várias medidas  numa tentativa de cumprir as exigências feitas pela troika ao país.
Apesar de algumas concessões feitas por Praga, a Checoslováquia mobilizou as suas tropas. No entanto ... acabou abandonando toda a resistência à invasão alemã, na ausência do apoio das potências ocidentais.

Etiquetas:


 

Hora do planeta

Apague a luz: que é Hora do Planeta ir para a cama






A hora do planeta mediático irá ser comemorada apagando a luz à noite, quando a energia é mais barata. 
Foi programada para coincidir com o prime-time noticiário da TSF que substituirá a SIC.


Etiquetas:


22.3.13

 

amostra de n=1


O meu exame de admissão ao liceu
ANA MARIA BÉNARD DA COSTA 

Etiquetas:


 

O rumo a seguir? A direção certa?


Elites, líderes e revoluções
ELÍSIO ESTANQUE 
1.  As elites são decisivas para qualquer sistema social, pelo que defender a sua função não é ser "elitista", principalmente se soubermos distinguir entre as elites instaladas e as elites renovadoras. Enquanto as primeiras contestam o que chamam populismo para justificarem a sua cultura aparelhista, as segundas são empreendedoras e trabalham para prevenir os perigos que o sistema enfrenta, mostrando ao povo qual é o rumo a seguir, estando assim legitimadas para se preservarem no poder (inclusive através do voto). 
2. O líder é aquele que personifica a vontade popular, mas que a orienta na direção certa e que tem na sua mente um horizonte de médio ou longo prazo.
* Será? Mostrando ao povo qual é o rumo a seguir?  Orientar a vontade popular na direção certa? 

Etiquetas:


 

Ultimato e a última reivindicação


Merkel avisa Nicósia para não pôr à prova a paciência da troika.







The Godesberg Memorandum is a document issued by Adolf Hitler in the early hours of 24 September 1938 concerning the Sudetenland and amounting to an ultimatum addressed to the government of CzechoslovakiaIt was named after Bad Godesberg, where Hitler had met Neville Chamberlain for long talks on 23 September continuing into the next day.
O Acordo de Munique foi um tratado.... entre os líderes das maiores potências da Europa à época. O ajuste dava à Alemanha os Sudetas  e o controle efetivo do resto da Checoslováquia, desde que Hitler prometesse que esta seria a última reivindicação territorial da Alemanha.
Hitler prometeu.

Os portugueses "podem estar tranquilos" porque a tributação bancária "excepcional" ao Chipre "não é transponível para outros países", disse o Governador do Banco de Portugal.

Etiquetas:


21.3.13

 

A solução


Etiquetas:


16.3.13

 

Processo de intenção


"Opinião" ou receita encomendada
E a verdade é que, relativamente a este cenário de política de rapina, a generalidade de economistas e comentadores, à excepção de alguns com "opinião" ou receita encomendada, são unânimes em realçar o desastre económico que se prenuncia para Portugal.
Juiz-conselheiro do STJ jubilado
Nem juízes-conselheiros jubilados escapam a processos de intenção

Etiquetas:


 

Retaliação


Trabalhadores da função pública pedem demissão do governo
*Ameaças-me com despedimento e eu apelo à tua demissão.

Etiquetas:


15.3.13

 

Ontem, um Papa; hoje um guru

Medina Carreira a arrear na bandeira da nacional-finança

Etiquetas:


 

Ontem, um Papa; hoje um guru

A bandeira da nacional-finança
Duas linhas cruzadas em fundo azul.

Que bom seria se assim fosse; bastaria hastear a bandeira de pernas para o ar, como no último 5 de Outubro, para se resolver o défice.

Etiquetas:


14.3.13

 

Papa Francisco

Imagino a alegria dos católicos de Goa e a dos "portugueses" de Malaca (também há portugueses pretos em Portugal?) por terem um Papa jesuíta e que escolheu o nome do seu Francisco.

Etiquetas:


13.3.13

 

Todos nós ... neste deserto de cidadania


A luta de Macário vai além da legítima defesa; tornou-se um aviltante ataque à democracia.
Macário pode continuar a suster a condenação através dos buracos processuais, chegar a Outubro e ser reeleito em Faro.
... todos nós ficamos mais pobres, revoltados e perdidos neste vazio ético e neste deserto de cidadania.
*Se democracia é o governo do povo pelo povo e para o povo ... e este é quem mais ordena.

Etiquetas:


 

O preço da saúde


Paulo Macedo reafirmou que não é possível manter a saúde que temos com os impostos que os portugueses "estão dispostos a pagar". Ora, há uma falácia neste argumento: os portugueses estão sujeitos a uma carga de impostos insuportável. Não se trata, portanto, de uma questão de escolha. É imoral atirar para o cidadão que paga impostos a responsabilidade pelas ineficiências do sistema. O Estado tem de encontrar as melhores soluções para um sector que é de facto muito caro. Mas sabendo que os portugueses não podem pagar mais e têm direito a um serviço de saúde digno. 
* Não se trata de uma questão fiscal; todos os direitos implicam responsabilidade: do SNS, do governo e do povo. Paralelamente ao imenso desperdício e à tosca gestão do sistema há a igualmente imensa irresponsabilidade e negligência dos riscos dos portugueses a pretexto de que os impostos que pagam impõem que o SNS satisfaça o seu bem-estar.


Etiquetas:


Archives

12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017   07/2017   08/2017   09/2017   10/2017   11/2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter