alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

31.3.11

 

Novos horários põem em risco emprego de milhares de professores


O interesse dos professores eclipsa o eventual prejuízo para os alunos.

Etiquetas:


 


Etiquetas:


 

Etiquetas:


30.3.11

 

Etiquetas:


 

Dilma Roussef em Coimbra.


Ontem a Presidente do Brasil veio à Universidade em vista privada. Foi recebida com júbilo por estudantes brasileiros e portugueses e assediada por jornalistas que lhe pediam, imploravam, rogavam, mendigavam, pedinchavam notícias sobre a compra de dívida pública a Portugal.


Seria assim sempre que a Rainha Isabel saía do paço agora “das Escolas”; terá sido por isso que D. Dinis proibiu dar esmola a jornalistas salvo nas conferências de imprensa.

Etiquetas:


 

    Juros nos 9%

    A Nau Catrineta

    Passava mais de ano e dia / Que iam na volta do mar,

    Já não tinham que comer, / Já não tinham que manjar.

    Deitaram sola de molho / Para o outro dia jantar;

    Mas a sola era tão rija, / Que a não puderam tragar.

    Deitaram sortes à ventura / Qual se havia de matar;

    Logo foi cair a sorte / No capitão general.

    ...

    - “Que queres tu, meu gajeiro,/Que alvíssaras te hei-de dar?”

    - “Capitão, quero a tua alma,/Para comigo a levar!”

    - “Renego de ti, demónio,/Que me estavas a tentar!

    ...

    *A tentação de culpar o capitão pelo desnorte do navio é antiga.

    Quem será o diabo do gajeiro que promete a salvação imediata a troco da alma?

    O dos outros ou o diabinho que há em nós?

Etiquetas:


29.3.11

 

Etiquetas:


 


  • Os Manifestos

  • 1848 - "Proletários de todo o mundo, uni-vos!"

  • 2011 - Precários portugueses unidos: "queremos ser proletários do quadro".
  • Etiquetas:


     

    Etiquetas:


     

    Reféns de birras

    Etiquetas:


    28.3.11

     

    Etiquetas:


     



    • Liberdade responsável

    • Remédios para emagrecer . Com a chegada da Primavera, as dietas voltaram a estar na moda. Dos regimes para emagrecer o mercado movimentou 25% mais dinheiro em 2010 do que em 2008. São 26,5 milhões de euros gastos em mais de um milhão de embalagens de produtos que inibem a absorção de gorduras, reduzem o apetite, substituem as refeições, ajudam a eliminar líquidos (diuréticos).

    • Gastos com a alimentação caíram a pique . Ritmo da queda acentuou-se no primeiro trimestre deste ano. Prejuízos podem chegar aos 400 milhões de euros.

    • A crise não afectou o mercado dos "remédios para emagrecer"; em vez de se preocupar com o que leva a frenar os gastos com a alimentação, o jornalista serviu de porta-voz do mercado. De "pé de microfone" a "corta e cola" psitacista.

    Etiquetas:


     

    1. Liberdade responsável

    2. "They have run out of other people"s money"

    3. A primeira responsabilidade recai na falta de disciplina de todos nós. A sra. Thatcher observou muito bem: só o Estado pode realmente gastar todo o dinheiro dos outros. A sociedade civil, por mais indisciplinada que seja, acabará sempre por ter de pagar a conta com os seus próprios recursos. A conta do Estado, em contrapartida, será sempre paga com os recursos dos outros. Mas a nobreza da política reside em defender o interesse público. Este consiste, em primeiro lugar, em servir as pessoas e garantir que elas podem usufruir em liberdade responsável dos seus planos de vida, pagando naturalmente os custos das suas diferentes escolhas.Devemos por isso ser claros sobre o foco principal da indisciplina portuguesa: o Estado. JC Espada.

    4. Afinal, na dívida externa, a parte pública é apenas um quarto.

    5. Afinal?

    Etiquetas:


     

    Etiquetas:


    27.3.11

     
    Torpor delirante........................................................................................................................................ A cidade está ainda num torpor delirante, como se caminhasse sonâmbula, sem ser capaz de acordar. Paulo Moura. ............................................................................................................................................................. * As notáveis reportagens de Paulo Moura na Líbia.

    Etiquetas:


     
    Sociobiologia atrevida ........................................................................................................................................................ O garrote . .................................................................................................................................................. O debate político em Portugal está polarizado entre duas posições que só podem conduzir ao desastre e ao declínio nacional. De um lado estão os que apresentam o aperto orçamental como a única forma de estancar a crise de dívida soberana em que estamos envolvidos. Do outro, os que protestam contra esse aperto e clamam por crescimento e emprego, ignorando que estamos face a um gravíssimo estrangulamento da capacidade de financiar não só investimento mas salários. Mª João Rodrigues ............................................................................................................... . - Se apertamos demais, perdemos o membro. Se não apertamos, a hemorragia mata-nos.

    Etiquetas:


     
    Sociogeologia
    ..

    1. Os juros disparam esta semana e dificilmente vão ficar por aqui.

    ..2. Que falhou no melhor sistema de alerta de tsunamis?

    O que falhou mesmo foram os diques da costa de Sendai que eram baixos e foram derrubados por uma massa de água com 10 metros de altura.” Expresso 26-3-2011 .

    3. Ler também a clara análise dos mecanismos da crise, no artigo de opinião de Tomás Pinho, no mesmo número do Expresso.


    4. Alqueva. O canal adutor do primeiro perímetro, que custou 65 milhões de euros, acumula detritos, lama, ervas secas e fissuras no betão. Inaugurada antes de ter capacidade para funcionar

    Etiquetas:


     

    O exame da terceira classe

    Etiquetas:


    26.3.11

     
    Totoloto-Lei
    Boletim premiado registado em Chaves
    Parlamento recomenda Unidade de Saúde
    O Parlamento aprovou por unanimidade uma recomendação ao Governo apresentada pelo PSD, PS, PCP e PEV para a criação da Unidade Local de Saúde do Alto Tâmega e adoção de medidas urgentes para o Hospital de Chaves.
    * O governo já caiu definitivamente; nem a gestão corrente já lhe confiam por unanimidade.

    Etiquetas:


     

    Ases do naipe de trunfo do baralho de sempre

    Etiquetas:


     
    A reabertura solene da
    Porta Férrea da
    Universidade de Coimbra

    Os estudantes, que estiveram concentrados à frente da Porta Férrea e a mantiveram encerrada a cadeado neste período, desmobilizaram, tendo-a reaberto depois do reitor se ter deslocado ao local e explicado a sua posição aos manifestantes.

    Etiquetas:


     
    O projecto que está curar um país, proclama o Expresso
    O projecto que faz corar um país, digo eu do que o jornal enfatisa.

    Etiquetas:


     
    Tele-pechisbeque

    Todos querem assistir. E não é caso para menos. É a primeira consulta de telemedicina realizada no país. O momento em que, como por magia, "São Tomé deixa de ser uma ilha isola­da", descreve o coordenador-geral do projeto.
    Financiado pelo

    Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento,
    Alto Co­missariado da Saúde e
    Fundação Ca­louste Gulbenkian,
    com o apoio da Fun­dação PT, que doou os equipamentos informáticos,
    o projeto da ONG Instituto Marquês de Valle Flôr promete revolu­cionar a prestação de cuidados no ar­quipélago, com a realização, por telé­medicina, de mais de cinco mil consul­tas por ano.
    Num país onde ainda falta quase tu­do, a água canalizada rareia mesmo no hospital e até a luz se apaga com frequência, a telemedicina quase pare­ce ficção científica.

    Expresso 26-3-2011

    *É o perigo da tele"medicina" – permite um diagnóstico demasiado afastado dos problemas do doente. ........................
    .........................Num país onde ainda falta quase tu­do, a água canalizada rareia mesmo no hospital
    .........................e até a luz se apaga com frequência, a telemedicina quase pare­ce ficção científica.
    *S. Tomé exigia ver para crer; o meio escolhido só permite ver para onde a sonda aponta.
    Pilatos aqui não poderia lavar as mãos.

    Etiquetas:


    25.3.11

     
    Sociobiologia atrevida

    PEC IV e economia biológica.
    O paradigma químico
    A doença era vista como uma alteração do equilíbrio entre os "fluidos orgânicos", equilíbrio que era necessário restabelecer para recuperar a saúde. Se havia falta de água era necessário fornecer-lha; se o pH era muito baixo, seria útil corrigi-lo, o que era obviamente correcto. O que prejudicava os nossos esforços generosos era a vontade de ajudar demasiado depressa; era julgar ser necessário corrigir, isto é, "normalizar" rapidamente os valores alterados. *
    Demo-nos conta que era melhor que a natrémia fosse corrigida lentamente, tal como a acidose e até a anemia grave, cuja camuflagem transfusional era uma carga insuportável para um coração debilitado.
    Demo-nos então conta que, se a saúde era um equilíbrio dinâmico, a doença, mais do que um desequilíbrio, era também um equilíbrio instável a um outro nível, equilíbrio este que, se era perigoso, tinha permitido a sobrevida do doente, mercê de processo adaptativos delicados que foram sendo conhecidos e que permitiam que as células sobrevivessem com uma osmolalidade plasmática ou com uma concentração hidrogeniónica elevadas, umas vezes causa, outras sinal do sofrimento celular, sofrimento esse que urgia atenuar.
    Todo o regresso forçado a valores "normais", se demasiado rápido, poderia desequilibrar de novo a dialéctica vital, tornando excedentários e eventualmente lesivos os processos laboriosamente montados pelas células para sobreviver em meio adverso e que demorariam muito tempo a desarmar. Os riscos da sobrecarga alimentar nos marasmáticos, dos idiosmoles desempregados, dos radicais livres de oxigénio e do risco de engordar rapidamente os RN magros são alguns exemplos desse princípio que a prudência dos clínicos experientes e a escassez de medicamentos poderosos nos iam impedindo de transgredir.


    A eficácia da reidratação oral – que a OMS considerou o maior sucesso terapêutico do Sec XX - fazendo apelo à capacidade do organismo doente se reequilibrar desde que adequadamente ajudado - revela um outro paradigma - o da biologia celular -- que tem em conta o significado da bioquímica plasmática e os mecanismo de resposta do hospedeiro e onde o objectivo não é o de forçar a "normalização dos parâmetros" plasmáticos mas ajudar a célula a restabelecer o equilíbrio biológico ao nível da saúde com um mínimo de efeitos adversos.
    HC Mota. A minha história da Pediatria. Acta Médica Portuguesa 2000;13: 221-7

    Para digma, rapidamente e em força»
    Foi outra a receita inicialmente apresentada como reacção certa (um reforço no investimento público e na contenção dos danos sociais e é ainda, aliás, a preconizada por economistas de renome como o Nobel Joseph Stiglitz. Stiglitz diz que o que se está a passar é um erro que conduz à debilitação crescente das economias, e exaspera-se por os governos estarem a seguir a indicação "dos
    estúpidos mercados financeiros que nos meteram nos problemas que enfrentamos agora".

    Etiquetas:


     
    A premonição de Sócrates
    O eng.º José Sócrates resolveu não assistir ao debate na Assembleia da República. Saiu no princípio e não voltou. O desprezo do primeiro-ministro pela Assembleia da República, que representa constitucionalmente o povo português e de que ele ainda por cima depende, revela o homem. Sócrates nunca foi, nem nunca será um democrata, é um autocrata. Um autocrata incapaz de sofrer a humilhação de ser rejeitado e afastado em público por gente que ele considera inferior.
    Verdade que o debate sobre o PEC IV envergonharia qualquer parlamento. Quem assistiu à cena na televisão sabe que tudo aquilo não passou de uma acumulação quase delirante de pequenos comícios: discursos que se repetiam até à náusea e para lá da náusea, insultos, slogans, chantagem e por aí fora, sempre no mesmo tom arruaceiro ou ameaçador. Argumentos, nem um.
    VPV

    Etiquetas:


     

    Como fizeram
    No Expresso de amanhã e no Económico de hoje.

    Etiquetas:


     
    Portugal está já a ser governado a partir de Bruxelas e Frankfurt.
    José Sócrates fez quase tudo bem em Bruxelas embora tenha feito quase tudo mal em Lisboa
    Teresa de Sousa

    *Em risco de não poder continuar a governar Portugal a partir de Lisboa, Sócrates prepara um lugar em Bruxelas.

    Etiquetas:


    24.3.11

     
    In vitro

    Portugueses limitam crescimento de cancro manipulando ambiente celular.
    *Sugiro ensaiar esta estratégia no défice.

    Etiquetas:


     
    Fukushima ilegal

    As autoridades nipónicas detectaram níveis de iodo radioactivo três vezes superior ao limite legal.

    * Perante uma ameaça letal, preocupamo-nos com o critério da legalidade.
    A relação conju­gal pode ser fantástica, pode ser tudo, mas há uma coisa que dá sempre cabo dela: é legí­tima. F. Allen Gomes. ÚNICA 19/03/2011

    Etiquetas:


     
    Reacção em cadeia da dívida

    Os juros exigidos pelos investidores para deterem títulos de dívida soberana portuguesa a cinco anos bateram hoje novamente máximos históricos, ao atingirem os 8,401 por cento.
    Fitch corta 'rating' de Portugal em dois níveis.

    * A dívida externa é a radioactividade libertada quando o tsunami financeiro avariou o radiador que impedia a reacção em cadeia; os juros são as radiações beta – penetram apenas 3 cm.

    Etiquetas:


     
    Bengasi, Portugal

    As operações políticas em curso em Portugal são plenamente justificadas no plano moral, como já aqui se defendeu. A inacção era inaceitável em face do massacre anunciado dos contribuintes indefesos. Agir significou assumir as responsabilidades e os riscos. Mas agora, que se tornou evidente que a solução do problema não vai ser fácil, é necessário assumir a responsabilidade de enfrentar as dificuldades que se apresentam. Isso não está a acontecer. Neste momento, não há sequer consenso sobre quem dirigirá a operação.
    A missão prossegue, falta a "estratégia de saída"

    Etiquetas:


    23.3.11

     
    A Viradeira começou com o anúncio da morte de José I
    Ferreira Leite descreve Governo "com habilidade perversa"
    A ex-líder do PSD acusou o PS e o Governo de serem os únicos responsáveis pela crise.

    Etiquetas:


     
    Artes de pesca na Apúlia

    Atraídas pelo isco o peixe ou o polvo entram na armadilha camuflada pelas algas; entrar é fácil mas, enredados, é difícil sair.

    Etiquetas:


     
    Ils sont fous

    E isso só é bom para aqueles que podem dar-se ao luxo de encarar as coisas do ponto de vista dos manuais: quanto mais depressa e com mais violência batermos no fundo, melhor. Teresa de Sousa
    "Não é seguro que Portugal vá precisar da ajuda do fundo"

    *Deixar bater no fundo e depois esperar que nos ajude.

    Etiquetas:


     
    Apesar
    Juros da dívida pública com novos máximos.
    Greve
    Circulação na CP será afectada ao longo de todo o dia
    O dia em que o Governo pode cair.
    O SNS resiste incólume:
    Incidência de tuberculose em Portugal baixou para metade em dez anos.
    O problema é que o SNS não resistiu à obsessão consumista: Governo admite que dívida do SNS supera mil milhões de euros. Pelo menos é eficaz.

    Etiquetas:


     
    O fim da volta ao mundo

    Acabava assim um périplo que cobrira já dois longos oceanos e um sem número de infortúnios, problemas, mortes e revoltas entre os seus subordinados *. Chegar às Filipinas foi complicado, quase dois anos depois de ter zarpado em 1519. Capitaneava uma armada de cinco navios (Trinidad, San Antonio, Concepción, Victoria e Santiago) à frente de 234 homens. Uma armada que se resumiria, no fim da viagem de circum-navegação completa ao mundo, a uma embarcação (Victoria), outro comandante, Sebastião Del Cano, e a apenas dezoito homens. Mas esquecidos de Magalhães, com exceção de um italiano que seguiu na armada, António Pigafetta, que nos deixou relatórios impressionantes das jornadas intercontinentais do navegador português e dos seus últimos dias.
    * se Magalhães não tivesse conseguido dominar a rebelião dos comandantes espanhóis, a frota teria voltado para trás.
    Sebastião Del Cano fez parte da conjura, foi preso, condenado à morte mas perdoado.
    Diziam os capitães castelhanos, para justificar a rebelião, que Magalhães era um agente do Rei Português, e que a sua verdadeira intenção era fazer perder tempo e desviar os castelhanos para a Antartida, para atrasar as descobertas espanholas." Na verdade, já tinham chegado até aquele lugar aonde nenhuma audácia ou mesmo temeridade de quaisquer mortais se tinha atrevido a chegar. Mais diziam-lhe que ele podia facilmente soprando o vento do Austro durante alguns dias, se navegassem com as velas rumo ao Meio-Dia, ser levado a alguma terra mais amena e temperada" .
    ............A armada chegou ao beco sem saída em que actualmente se encontra por culpa

    ............exclusiva do Capitão General. Vozes de cana rachada
    Porém, Magalhães respondeu-lhes o contrário. É que ele já decidira que ou morreria ou findaria a sua façanha. Carta de Maximiliano Transilvano ao Cardeal Salisburguês

    Desaparecido o capitão-general Magalhães, a tripulação divide-se indisciplinada, a missão agora são roubos e desordens. Atraídos a um banquete do rei de Cebu, os capitães e mestres de navegação são mortos pelos guerreiros,. Duarte Barbosa, cunhado de Magalhães morre. Os poucos sobreviventes levantam ferro e levam 6 meses navegando às cegas, voltam à pirataria que garante o abastecimento. A sorte leva-os a Ternate onde são informados que Francisco Serrão morrera há cerca de um mês. Optam voltar pela rota de ocidente, a portuguesa. Mas 60 tripulantes optam por ficar em Tidore, outra das Malucas. Partem com novo comandante Espanhol, que ali abandona a Trinidad a pretexto de meter água e incendeia a Concepcion (dos capitães portugueses mortos). Carrega com especiarias a Victoria para o seu regresso triunfal.
    Dos 250 esperançados á partida, estavam regressados 18 espectros, incapacitados de voltarem ao mar.
    “... parece que será tamanho milagre, ir a Castela como foi virem de Castela a Moluco, porque a
    nau era muito velha e ruins mantimentos, e os castelhanos não queriam obedecer ao capitão”: Carta do comandante de Ternate, António Brito, ao rei D João III com o depoimento que lhe foi prestado pelos tripulantes da nau Trinidad.



    Etiquetas:


     
    Pack and pack
    PEC ante PEC chegou o granizo
    Previsão meteorológica para esta tarde e dias seguintes - aguaceiros que poderão ser de granizo e neve nas terras altas mas a temperatura manter-se-á amena.

    Etiquetas:


    22.3.11

     
    Édipo em Rates

    Enésima visita a S. Pedro de Rates, a magnífica igreja românica e ao pelourinho com a antiga câmara quinhentista.
    Tarde de sábado primaveril, igreja aberta e sem ninguém. Tudo deserto, a igreja e a praça; o sol a entrar pelo portal escancarado amornava e atenuava a frescura da nave. Ver, rever, fruir à vontade.
    O tímpano contém uma visão hierática: dentro de um nimbo, oval, recorta-se a figura grave de Cristo, ladeado por duas figuras menores, de aspecto impassível, a cujos pés se vêem dois seres humanos, descompostos e magros, caídos de borco.” San’Anna Dionísio. Guia de Portugal
    .

    .

    *No bordo inferior, duas serpentes entrecruzadas mordem – à falta de melhor - o rabo da outra.
    ... duas figuras menores, de aspecto impassível, a cujos pés se vêem seres humanos. PS e PSD medievais?
    .
    .
    Tudo deserto até que, a meio da tarde, começou a chegar a miudagem - dezenas de petizes, rapazes e raparigas aos magotes que esperavam a hora da catequese.
    Na base dos colunelos do portal Sul, duas esfinges mordem humanóides infiéis; só passa quem souber.

    Etiquetas:


     

    Remorso mediático
    .
    Em cada futuro número do Expresso, uma figura pública com responsabilidades na actual crise fará a sua auto-crítica.
    Madoff foi a primeira; adivinhe quem se segue.

    Etiquetas:


     
    Símbolos nacionais
    Verde-urtiga/rosa-camélia-velhas
    .
    As finanças portuguesas estão à beira da bancarrota; os responsáveis não conseguem um acordo sobre a única plataforma que já teve o beneplácito da U.
    Coimbra é o único centro do país onde se fazem transplantes hepáticos a crianças. Quezílias várias levaram a mais uma interrupção do programa; esta semana haverá uma última tentativa de acordo mínimo que permita recomeçar o programa de que depende a sobrevivência de muitas crianças.
    Tanto num como noutro caso se teme que o orgulho individual se sobreponha ao interesse colectivo, em especial dos que mais precisam. Tanto num como noutro caso se esgrime com a culpa sem consideração pela solução do problema; tanto num como noutro caso não se reconhece autoridade ao árbitro.
    Tanto num como noutro caso o resultado do desacordo será uma intervenção estrangeira que haveremos de pagar em euros e desonra.

    Etiquetas:


    21.3.11

     
    O mundo do “Preço Certo”

    1. E se a ameaça ao euro fosse política?
    2. A associação dos reformados alertou hoje para o efeito “trágico” que terá o recuo do Governo de não reduzir o preço dos medicamentos.

    * Não se questiona o objectivo nem a receita. Se o Dr. Pangloss o prescreveu é por que era necessário ...
    Tudo gira em volta do euro e do custo - a Europa e os reformados. Depois de Ptolomeu e de Copérnico agora o mundo revolve-se à volta do novo astro. O instrumento volveu-se em deus – o velho bezerro de oiro, o antigo ídolo do povo a cujo paradigma e a cuja heresia de maior sucesso nos convertemos. *
    Ao promover a obsessão pela justeza do preço (petróleo, alimentos, medicamentos .. ) a publicidade obnubila a pertinência: valerá a pena? O valor sacrificado ao preço.
    Já sacrificamos os nossos filhos (não mais do que dois) no altar do PIBem-estar; a riqueza é inversamente proporcional à natalidade.
    A Europa é reduzida ao €uro;
    Hermes (patrono grego dos ladrões, dos comerciantes, dos diplomatas e da propaganda, além de ser o guia das almas dos mortos para o inferno) ou Mercúrio, o seu romano avatar (deus da venda, lucro e comércio) reina no EurOlimpo.
    Europa foi raptada por um touro com cornos de oiro.


    * Por isso a Europa e os USA apoiam Israel, a casa de repouso onde acantonaram os nossos tetravós, com o constrangimento do remorso; por isso os fundamentalistas muçulmanos nos consideram quase tão inimigos quanto os judeus.

    Etiquetas:


     
    Quinolonas pelo cano abaixo

    Naquele engano da alma, ledo e cego,
    Que a fortuna não deixa durar muito,
    Aos montes ensinando e às ervinhas
    Que as águas estão contaminadas
    Nos saudosos campos do Mondego.

    1. Antibióticos eliminados pelo homem detectados nas águas residuais de quatro hospitais e da ETAR de Coimbra e do rio Mondego.
    2. Níveis de iodo radioactivo três vezes superior ao tolerado na água a 40 Km da central nuclear de Fukushima. O governo diz que estes valores não representam um risco iminente para a saúde.
    .
    *Vestígios de antibióticos potentes nos esgotos estão para Portugal como a radiação está para o Japão - não representam um risco iminente para a saúde. Não será iminente mas é eminente; e já é risco iminente para o orçamento do SNS e para a bolsa dos portugueses.

    Etiquetas:


    20.3.11

     
    Teleologia laica
    Precários nos quiseram, rebeldes nos terão

    na Manif da “Geração à rasca”

    *O Medeiros, meu condiscípulo, aprendera o sotaque açoriano com um companheiro de República e acabou falando-o fluentemente.
    Imitava o sermão do padre Zé das Furnas de maneira notável: Estava S. José aparelhando umas tabuinhas...
    Desanimado com o comportamento do seu rebanho, padre Zé da Furnas devolvia-as ao Criador – Bestas mas deste, bestas vo-las entrego.
    Os “precários nos quiseram” são a versão actual (teleológica e laica) do padre Zé da Furnas. “Eles”, “os outros”, o “Mal” em vez do Criador dos Açores.

    Ameaçam com birra – rebeldes, que não revoltados e muito menos revolucionários – mais do mesmo.
    Rebel Without a Cause II, meio século depois, na versão de farsa.

    Etiquetas:


    17.3.11

     
    Primitivos Portugueses 2

    Em busca de raízes ou rebentos de Nuno Gonçalves mas o genial autor dos Painéis não deixou discípulos; terá tido mestres que ultrapassou mas não se vêem precursores nem deixou escola. Foi um genial relâmpago laico no meio de uns quantos talentos de arte sacra.
    Os painéis de S. Vicente: Rostos soberbos de gente viva que nos olham de frente. As cortes da segunda dinastia; esta dinastia foi enxertada pelo povo mas não se vê arraia-miúda – foram para o campo e deixaram a braçada de corda em primeiro plano.
    Nota: das sessenta figuras apenas haverá 4 ou 5 com peso a mais; nenhum obeso.

    ..Na Deposição no Túmulo (95) de Cristóvão Figueiredo, duas figuras, rostos imperturbáveis saídos dos “painéis”, assistem de longe, sobrolho franzido, ao funeral de mestre Nuno. Não haverá outro igual, lamentam.


    Só nesta e na Adoração dos Magos de Gregório Lopes et al (72) há figuras semelhantes às de Nuno Gonçalves (fig sup E)



    De todos os outros quadros marcou-me o do milagre da hóstia, (131) da Miz de Tomar, de um discípulo de Gregório Lopes: uma soberba multidão estupefacta pelo tropeção da mula tida como miraculosa genuflexão. NB- Não há mulheres...

    O Martírio de Stº Estêvão (136) retrata uma lapidação; repare-se que “o santo” tem um fenótipo feminino. A razão da pena?
    O Inferno (Esc. Portuguesa) (75) - Um diabo australiano e outro macaco. O chefe do bando é um índio brasileiro – quase todos são fêmeas; outro tem três olhos (um na testa). Muitos condenados são fêmeas.

    Os tormentos infligidos ao pecado da gula - extrair "a frio" moedas e diamantes (?) engolidos ou verter ainda mais vinho de um odre por um funil na garganta.
    Outro é o fantástico Tríptico da Lamentação de S. Brás e S. Jerónimo do “delirante de Guimarães”- (52), (Museu Alberto Sampaio, Guimarães). O ambiente é-nos familiar pela televisão - mulheres embiocadas como as muçulmanas.
    .A máscara de “O homem do copo de vinho” olha absorta, tão absorta que parece estrábica, enquanto beberrica a fazer boca para o pão com queijo; o queijo é Camembert pelo que o autor não deverá ser português.
    Nunca é demais rever o retrato da Princesa Santa Joana e o Ecce homo que afinal é do final do Sec XVI.

    Etiquetas:


    16.3.11

     
    Barrabás
    É um erro histórico não ouvir as multidões” disse o cardeal-patriarca a Pôncio Pilatos na abertura do ano judicial; e foi o que este fez.
    É o que dá quando se confunde multidão com multitude.

    Etiquetas:


     
    Mocidade Portuguesa

    . «Importa que os jovens deste tempo se empenhem em missões e causas essenciais ao futuro do país com a mesma coragem, o mesmo desprendimento e a mesma determinação com que os jovens de há 50 anos assumiram a sua participação na guerra do Ultramar», afirmou o chefe de Estado, Cavaco Silva.

    1. "Os jovens de há 50 anos": aqui há razão para falar em “os jovens”, visto que foram (quase) todos à guerra. Também fui nos primeiros anos.
    Pelo menos no início quase todos revelaram “coragem, desprendimento e determinação” – pelo menos a coragem e a determinação de preferir a guerra “a termo certo” ao exílio sem prazo.
    Lá foram, uma minoria “levados, levados sim” pelo ideal de defender a Pátria e a civilização; destes, uma pequena fracção argumentava estar a dar tempo a que se encontrasse uma saída diplomática.

    Outra minoria era contra aquela guerra mas preferiu estar com os seus para lhes abrir os olhos; mas a grande maioria foi por ter sido mandada e obedeceu como sempre. Muitos tinham lá parentes ou conhecidos e as notícias do que sucedeu em 15 de Março desfez muitas hesitações: “assim, não”.
    Não creio que esta atitude conformada de “levar a carta a Garcia” seja um modelo a recomendar aos jovens deste tempo.

    2. “Importa” e “empenhem” são apelos redundantes – os jovens deste tempo já importam muito e estão empenhados demais.

    Etiquetas:


     
    Viciados da gasolina em pânico
    Meia centena de
    bombas sem gasóleo na Grande Lisboa.
    * Era o que aconteceria se faltasse a pão, o ar, a água, o tabaco, a droga, a coca-cola, a queixa, a TV, o Fecebook, o governo. É o que acontece às baratas.

    Etiquetas:


     
    Idade da pedra
    .
    GNR contabiliza cinco camionistas feridos, 50 viaturas apedrejadas e três detidos.
    * É o risco de lidar com petróleo.

    Etiquetas:


    15.3.11

     
    A comunicação do PM
    foi muito mal programada pela RTP: foi antecedida pelo programa Preço Certo e pela promessa de paraíso terreal no Continente e Ilhas. O contraste não poderia ter sido maior.

    Etiquetas:


     
    Portugueses já podem mudar de sexo
    Petição contra tráfico sexual

    Etiquetas:


     
    É preciso perceber

    ... é preciso perceber que o sistema capitalista é amoral, tem de produzir resultados. As pessoas é que podem ser morais ou imorais, mas o sistema tem de ser amoral. Ricardo Salgado, Expresso 26-2-2011

    *Tão amoral como o mundo natural da física, da astronomia, da geologia, da virulogia e das epidemias. Só que o capitalismo foi criado pelo homem; por ter sido criado também à sua imagem e semelhança o capitalismo tem vencido o socialismo – o egoísmo, a ambição e a inveja são forças muito mais poderosas que a fraternidade, a generosidade e a justiça.
    O sistema “é” amoral mas não “tem de o ser” – o fogo, o vento e até o urânio produzem resultados sem terem de ser deixados à solta; da varíola que dizimou os incas Cortez diria que também ela era amoral e que assim tinha de ser para “produzir resultados” – os que lhe convinham como imunizado. ...
    Para que serve o cocheiro que aceita que as bestas tomem o freio nos dentes?

    "Alguns bancos têm o papel fun­damental na geração da situação. Basta ver a publicidade, incenti­vando ao consumo".
    Ernâni Lopes Expresso 4-12-2010

    Etiquetas:


     
    Cartel das Transportadoras

    ... muitos transportadores que optaram por nem sequer deixar sair os camiões das empresas com receio de incidentes.
    Aliás, quando eram “obrigados” a desviar os camiões que passavam no IC1, muitos dos motoristas tentavam argumentar, mas perante a “barreira” de homens, mais não podiam fazer que colocar o pisca, entrar no parque e desligar o motor.
    O sócio-gerente da Transportes C. P. não escondeu a sua indigna­ção ao afirmar que «o que se está a passar não é uma greve, é um acontecimento vergonhoso». A sua empresa que «não é grevista» tem a sua frota em Portugal toda parada «Entre 150 a 200 camiões»... «por causa de represálias».
    «Se fosse jornalista abstinha-­me de tudo e dizia que não se passa nada»; “Sabe que tipo de pesso­as é que estão envolvidas nisto? Informe-se convenientemente que eu também não explico
    ».
    Toda a frota da Gefco afecta à agência de Pom­bal regressou ao parque “depois de terem ficado presos” em diver­sos locais devido aos piquetes.

    * Centralismo democrático, unanimidade à força. Dois empresários detidos por apedrejamento de veículos.
    Foi assim no Chile de Allende, manifs de tachos e bloqueio pelos cartéis de transportadoras.

    Etiquetas:


     
    O padrão episcopal

    Para o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa, "o povo português, mesmo descontente, mesmo que se sinta à rasca, como assim chamaram esta geração, sabe portar-se com dignidade".

    * O povo, a geração, a dignidade, o padrão.
    .
    .
    .
    .

    Etiquetas:


    14.3.11

     
    O pesadelo de Passos Coelho
    .
    Estava num manicómio e entre os doidos estava Sócrates que o ameaçava com um faca. Fugiu mas o corredor não tinha portas e por fim terminava num beco. Não havia escapatória e Sócrates aproximava-se de arma em riste; era o fim.
    Não foi, pelo menos da forma que temia; quando chegou, Sócrates entregou-lhe a arma e disse: Agora é a tua vez de correr atrás de mim.
    Era esse o pesadelo.

    Etiquetas:


     
    Todo é uma palavra totalitária
    .
    Todas as idades, todos os grupos,
    todas as palavras de ordem.
    .
    Bolinar é preciso..

    .

    .
    .
    .
    ..
    .
    .


    Os docentes decidiram em plenário participar nas ações e lutas a desenvolver, uma delas a possibilidade de greve aos exames

    Etiquetas:


     
    Questão de perspectiva

    "Para os polacos, o Ocidente é um sonho, uma terra para lá do arco-íris, o paraíso perdido. Os polacos são mais ocidentais no seu olhar sobre o mundo do que os habitantes da maior parte dos países ocidentais."
    Norman Davies, um dos grandes historiadores contemporâneos da Polónia.

    * É natural que os europeus orientais olhem mais para o ocidente e os ocidentais mais para leste.

    13.3.11

     
    Socialdemografia
    .

    Etiquetas:


     
    Outras maneiras de resolver problemas

    Na semana das cinzas em que
    Protesto Geração à Rasca juntou entre 160 e 280 mil pessoas só em Lisboa e Porto
    Professores dividem-se entre manifestação dos sindicatos e da “Geração à Rasca”
    A AAC convoca uma Assembleia Magna para boicote às aulas no dia 24
    Empresas de transporte de mercadorias vão paralisar
    É útil ler esta Saudade da Minha Escola, que J. Gonçalves publicou no Diário de Coimbra de hoje. Será útil para todos – geração Deolinda, à rasca, rasca, pais e avós, professores, Fenprof, estudantes, camionistas, ANTRAN et al.
    .

    Comovi­-me no dia 7 de Outubro, o dia mágico em que, sequestrado por um bando de gandulos, graúdos todos, e eu, menino e moço nos partimos deste Pinhal, em de­manda daquele frio casarão em que me despejaram, desorienta­do com a barulheira de tantos, apenas silenciados com a entrada daquele Senhor, alto, imponen­te ... Era o Senhor Professor!!!
    Era o Senhor Professor, com quem iríamos "viver" durante quatro longos anos, dias bons, dias menos bons, alguns de ale­gria outros nem tanto, mas sem­pre alerta para o que desse e vies­se. Porque naquele tempo ... aos sábados varríamos a sala e tratava-se das sanitas ­- agora têm as auxiliares. E os meninos, muitos, levavam um pedaço de broa e uma sardinha frita ou uma patanisca de baca­lhau, que às aldeias não chegava o padeiro. Agora têm cantina de borla, e algumas têm um barzi­nho onde se vendem caramelos e chupa-chupas. Mas bem, nós vivíamos bem assim, foram qua­tro anos que marcaram, o Sr. Pro­fessor João até tinha uma bonita letra, acho que lhe apanhei o jeito, e ainda gosto do alinhavo.
    E não vale a pena contar mais, pois já está tudo dito, e eu só vou contar duas estórias, no recreio ninguém saia à rua, e lá dentro inventavam-se umas brincadei­ras que nem sempre davam cer­to. Eram corridas à volta da esco­la, metas à porta principal que nunca se abria. Ora o Tino Carru­la, que era o levezinho lá da 4ª caiu-me uma vez em sorte. E cá o rapaz, já com o sanguito na guel­ra, farto de tantos empates, esti­cou, esticou, passou a meta da porta e o choque foi dar-se já na esquina e pumba, um atleta para cada lado. O Tino, mais menina, desmaiou mesmo e levaram-no para o hospital ali em frente. E depois de visto pelas freirinhas, que também eram as enfermei­ras, lá o despacharam sem qual­quer mazela. Menos sorte teve o vencedor. Armado em valente mas cheio de medo do hospital, pôs-se a andar para casa. De pou­co lhe valeu, pois passados dias o nariz continuava a doer-lhe e ele lá foi. Por sorte não estava o Sr. Dr. e a freirinha velha apalpou com muito jeitinho, e disse que era a cana do nariz partida, rachada, mas nada havia a fazer, soldava assim mesmo. Mas não soldou, ficou toda a vida a dançar e é por isso que eu agora tenho uma rinite alérgica. Incurável. Graças ao Tino.
    Mas a outra foi mais triste ain­da. Imaginem um pobre cá do Pinhal a fazer exame da 4ª Classe, não podia ir de qualquer manei­ra. Fatinho novo feito no Vidinha da Arrifana, coisa asseada. Gra­vatita a condizer. E sapato novo; claro. E mal nasceu o sol lá foi toda a rapaziada para a festa. E todos a mostrar as suas prendas.
    Muitos com relógio novo, mas eu tinha uma caneta, uma caneta de tinta permanente, não precisava de molhar no tinteiro, tinha a tin­ta lá dentro. Uma maravilha! E eu tirei a caneta do bolso e fui mos­trando aquele milagre, tinha a tinta lá dentro!... Só que a maravi­lha, sem aviso, esguichou a sua tinta e deixou-me as mãos todas azuis. Uma aflição, onde lavar as mãos? O tanquito no hospital. Porque o hospital tinha um lindo jardim e um tanquinho redondo, de pedra, com um degrau no meio para pôr os pés. Eu lá fui ao tanquinho, desci para o degrau, lavei as mãos e preparei-me para sair. Só que esqueci que atrás de mim estava a parede de pedra. E zás, rabo a bater na pedra e um mergulho de cabeça. Todo encharcado, até os sapatos novos!... E agora?
    O meu exame?!... Em pânico, desatei a correr rua abaixo, Fonte do Outeiro, carreiras dos quin­tais, a Faia, a ladeira do cemitério, e o resto sempre a correr para aí dois quilómetros. Minha mãe a chorar, despir o fatinho novo e enxugar a criança, outra vez o fato velho, sapatos velhos, e ele novamente na estrada, agora tudo a subir, mas os pés não pesavam e em três tempos esta­va ele a investir a sala, esbafori­do, ante o pasmo geral, mudo e quedo mas a reclamar que o exame tinha de ser feito. O Prof. João a conferenciar com uns senhores de fora, as provas iam a meio, mas sim senhor. Lá fui para uma carteira ao fundo com uma senhora a "ditar-me” o ditado e os problemas e eu a acabar a cópia e a redacção, os outros a entregarem e eu a acabar... Tudo de afogadilho por causa de uma maldita caneta nova. Uma espera interminável e lá veio a pauta, com o meu nome perdido no meio. À cabeça três distintos, o Cruz, o Lalo e o Luís. E eu perdido lá no meio. Eu o peneiroso, com a mania que era dos bons, e agora banido lá para o meio dos atrasados. Pior do que a dor na cana rachada do nariz, a dor indelével duma Cer­tidão da Quarta Classe a marcar o início duma carreira que haveria de ser brilhante, e afinal começava já com tamanha nódoa! Aprovado. Simplesmente Aprovado. Uma vergonha pa­ra a Família!!!...!
    J. Gonçalves. Condeixa.
    Diário de Coimbra, 13-3-2011

    Etiquetas:


    Archives

    12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017   07/2017  

    This page is powered by Blogger. Isn't yours?

    Site Meter