alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

29.4.10

 
O mofo de Darwin 1

Fico feliz quando vejo questionar um dogma; é assim que a ciência evolui – a síntese que supera a tese sem a menosprezar. Darwin que aguardou tantos anos para publicar a Origem das Espécies haveria de ficar satisfeito por alguém querer trepar aos seus ombros, na festa dos 150 anos.
Por outro lado, todos estes factos e teorias empanam a vaidade humana e sobretudo a dos criacionistas; já não bastava Darwin demonstrar que homem e macaco tinham tido um antepassado comum...
O que isto teria chocado quem julgava ser um arqui-neto de Adão e Eva, que Deus havia criada “à sua imagem e semelhança”.
É certo que desde a expulsão do Paraíso muitos milénios tinham passado e, com eles, a estratificação dos primos humanos

em classes ou em castas quase tão rigidamente separadas quanto as espécies. Não seriam muito raros os cruzamento de
classes diferentes; malvisto pelo status quo (que agia como se cresse que, na realidade, Eva e Adão teriam tido irmãos mas
tolerado por alguns lúcidos como um mal menor, necessário para atenuar o risco inerente à consanguinidade. “Por vezes é
preciso estrumar o sangue” dizia um Príncipe de Salina minhoto.

A evolução de Lamark ainda tinha algo de tolerável; afinal sempre legitimava a herança da honra dos antepassados. A girafa via compensado o esforço de esticar o pescoço para atingir os ramitos tenros mais altos ao ver crescer o pescocito dos filhotes - o legado que deixava à descendência.
Creio que as classes dominantes do ancien regime não teriam dificuldade em aceitar o lamarkismo social, a “herança dos caracteres adquiridos” à semelhança dos títulos de propriedade privada.
Hipótese que Darwin veio substituir por uma outra muito menos distinta. Afinal a evolução nada tinha de nobre ou de láureo; as mutações eram meros acidentes - de que sobreviveriam apenas os mais aptos na selvagem luta pela vida.
Uma decepção ontológica.
De recordar que a mutação é também uma característica adquirida e hereditária.
Apesar de tudo restava a perspectiva de, mesmo que oriundos de um antepassado comum, este era muitíssimo antigo e teria vindo a ser melhorado até nós; na árvore ainda somos a folhita mais verde do ramito mais alto. Mais: os homens seriam todos da mesma família, diferentes das dos outros animais de cuja eventual herança comum há muito foram feitas as partilhas.
Agora o que nos dizem é que nem árvore há; em vez de tronco, uma espécie de rizoma. A árvore genealógica degenerou em fungo, bolor, quando muito em cogumelo - um emaranhado de micélios que se entrecruzam e não apenas como se entrecruzam os vimes dos cestos da vindima.

Disseram-nos que éramos irmãos de todos os humanos, primos afastados dos outros primatas..... cujos tios se tinham separado há milhões de anos. Agora dizem-nos que, além da herança dos nossos ilustres antepassados, temos outras oriundas de espécies diferentes, tão primárias como as bactérias, vírus ou pior.
Bactéria foi a designação escarninha que Chaplin encontrou para uma nação desdenhada (Grande Ditador).
Deparamo-nos bastardos de progenitores promíscuos, de origens obscuras, apenas porque, por acaso, dois micélios levados pelo vento se cruzaram e trocaram legados; que as bactérias o façam (plasmídeos), ainda vá, mas os nossos progenitores...
A origem de muita informação genética mantida no genoma é transversal e não horizontal em origem: provém de vírus que, como parasitas que são, inserem, por vezes, informação genética no nosso genoma. “Estrumar o sangue” exprime bem o desdém de uma herança genética transversal, horizontal, rasteira...
Afinal, todos somos quimeras (o que soa bem) ou mosaicos (o que parece detestável) que, além dos primordiais, poderemos ter genes novos que nunca teria havido na natureza humana; teríamos genes de arqui-avós com milhões de anos que se cruzaram com outros acabados de inventar, um ambiente algo pedo-zoófilo que evoca a mitologia grega.
Já se suspeitava que as mitocôndrias não eram mais que bactérias que há muitos milhões de anos se tinham insinuado nas células eucariotas (endossimbiose.) comandando a sua vida como a Wolbachia faz aos insectos à maneira do mordomo de
Harold Pinter.
Aliás, pensando bem, nós somos tanto o nosso “corpo” como a nossa flora interna, constelação de células tão específicas e tão indispensáveis quanto as geneticamente “nossas”, (aliás menos numerosas que aquelas). A distinção entre as “nossas” células e a nossa flora é uma perspectiva dicotómica, reflexo da do corpo e alma de outrora.

Etiquetas:


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Archives

12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017   07/2017   08/2017   09/2017   10/2017   11/2017   12/2017   01/2018   02/2018   03/2018   04/2018   05/2018   06/2018   07/2018   08/2018   09/2018   10/2018   11/2018   12/2018   01/2019   02/2019   03/2019   04/2019   05/2019   06/2019   07/2019   08/2019   09/2019   10/2019  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter