alcatruz

Alcatruz, s.m. (do Árabe alcaduz). Vaso de barro e modernamente de zinco, que se ata no calabre da nora, e vasa na calha a água que recebe. A. MORAIS SILVA. DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA.RIO DE JANEIRO 1889 ............................................................... O Alcatruz declina qualquer responsabilidade pelos postais afixados que apenas comprometem o signatário ...................... postel: hcmota@ci.uc.pt

15.1.05

 
Pequim
... porque tenho daqui para diante contar o que vimos ... na ... cidade de Pequim, dos quais confesso que estou já agora receando vir a contar ainda esse pouco que deles vimos, não porque isto possa parecer estranho a quem viu as outras grandezas deste reino da China, senão porque temo que os que quiserem medir o muito que há pelas terras que eles não viram, com o pouco que vêem nas terras em que se criaram, queiram pôr dúvida, ou porventura negar de todo o crédito àquelas coisas que se não conformam com o seu entendimento e com a sua pouca experiência.

Porque se não há-de imaginar que é ela uma Roma, uma Constantinopla, uma Veneza, um Paris, um Londres, uma Sevilha, uma Lisboa, nem nenhuma de quantas cidades insignes há na Europa por mais famosas e populosas que sejam. Nem, fora da Europa, se há-de imaginar que é como o Cairo no Egipto, Tauris na Pérsia, Amadabad em Cambaia, Bisnagá em Narsinga, o Gouro em Bengala, o Avá no Chaléu, Timplão no Calaminhã, Martavão e Bagou em Pegu, ou Guimpel e Tinlau no Siammon, Odiá no Sornau, Passarvão e Demá na ilha da Jaoa, Pangor no Léquio, Uzangué no grão Cauchim, Lançame na Tartária e Miocó em Japão, as quais cidades todas são metrópoles de grandes reinos.
Porque ousarei afirmar que todas estas se não podem comparar com a mais pequena coisa desta grande Pequim, quanto mais com toda a grandeza e sumptuosidade que tem em todas as suas coisas, como são soberbos edifícios, infinita riqueza, sobejíssima fartura e abastança de todas as coisas necessárias, gente, trato e embarcações sem conto, justiça, governo, corte pacífica, estado de tutões, chaéns, anchacis, aitaus, puchancis e bracalões, porque todos estes governam reinos e províncias muito grandes, e com ordenados grossíssimos, os quais residem continuamente nesta cidade, ou outros em seu nome quando, por casos que sucedem, se mandam pelo reino a negócios de importância.

Fernão Mendes Pinto. Peregrinação (1614). Escrito entre 1568 e 1578.
Edição Expresso 2004, de acordo com a edição Sá da Costa 1961.





Comments: Enviar um comentário

<< Home

Archives

12/2004   01/2005   02/2005   03/2005   04/2005   05/2005   06/2005   07/2005   08/2005   09/2005   10/2005   11/2005   12/2005   01/2006   02/2006   03/2006   04/2006   05/2006   06/2006   07/2006   08/2006   09/2006   10/2006   11/2006   12/2006   01/2007   02/2007   03/2007   04/2007   05/2007   06/2007   07/2007   08/2007   09/2007   10/2007   11/2007   12/2007   01/2008   02/2008   03/2008   04/2008   05/2008   06/2008   07/2008   08/2008   09/2008   10/2008   11/2008   12/2008   01/2009   02/2009   03/2009   04/2009   05/2009   06/2009   07/2009   08/2009   09/2009   10/2009   11/2009   12/2009   01/2010   02/2010   03/2010   04/2010   05/2010   06/2010   07/2010   08/2010   09/2010   10/2010   11/2010   12/2010   01/2011   02/2011   03/2011   04/2011   05/2011   06/2011   07/2011   08/2011   09/2011   10/2011   11/2011   12/2011   01/2012   02/2012   03/2012   04/2012   05/2012   06/2012   07/2012   08/2012   09/2012   10/2012   11/2012   12/2012   01/2013   02/2013   03/2013   04/2013   05/2013   06/2013   07/2013   08/2013   09/2013   10/2013   11/2013   12/2013   01/2014   02/2014   03/2014   04/2014   05/2014   06/2014   07/2014   08/2014   09/2014   10/2014   11/2014   12/2014   01/2015   02/2015   03/2015   04/2015   05/2015   06/2015   07/2015   08/2015   09/2015   10/2015   11/2015   12/2015   01/2016   02/2016   03/2016   04/2016   05/2016   06/2016   07/2016   08/2016   09/2016   10/2016   11/2016   12/2016   01/2017   02/2017   03/2017   04/2017   05/2017   06/2017   07/2017   08/2017   09/2017  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter